Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Petrobras é principal recomendação de compra no Brasil, diz banco

Com o reajuste nos preços dos combustíveis, o Santander acredita que as ações da estatal devem ter valorização de mais de 20%

São Paulo – O anúncio do reajuste do preço dos combustíveis pela Petrobras no começo desta semana fez com que o Santander recomendasse a compra das ações ordinárias da estatal.

O otimismo com os papéis da companhia é tamanho que o banco acredita em uma valorização de mais de 21%. O preço-alvo estimado para 2017 é de 23,60 reais. Atualmente, as ações são comercializadas em 18,61 reais (fechamento do dia 6 de dezembro).

Para o banco, o aumento de 8,1% no preço da gasolina e de 9,5% no diesel confirma o pragmatismo da companhia em cumprir sua nova política de preços.

O relatório destaca que este primeiro aumento de preços desde que a Petrobras implementou sua nova política de preços dos combustíveis reduzirá as incertezas em relação ao seu atual cumprimento, um fator claramente positivo para a ação.

“Em nossa opinião, esse anúncio deve impactar de maneira positiva a ação e sendo assim, reiteramos a Petrobras como nossa principal recomendação no Brasil”, afirmou o analista Gustavo Allevato, por meio de relatório.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Afonso

    IMPRODUTIVA E ESTUPRADA! PRIVATIZA ESSE ANTRO DE CORRUPÇÃO….

  2. Jorge Afonso

    Cuidado, hein!! As energias alternativas vieram pra ficar….

  3. Waldir Antonio Fernandes Altieri

    Os percalços das atividades ilícitas sobre Petrobras no tocante ao número exagerado de empregados nomeados pelo PT.
    A maneira descontrolada na lida financeira com os fluxos de caixa da empresa com gastos em propinas exagerados e sem integridade econômica.
    Os danos causados pela desonestidade na administração da S/A causando desvalorização aceleradíssima das ações e perdas o mercado das bolsas estrangeiras.
    Por tudo isso, os escândalos, as despesas sem controles, etc., faz com que a nova administração deverá cortar todas as despesas não agregadas aos produtos finais e nem colocar a borra do petróleo, a gasolina, num preço de consumo alto exageradamente para diminuir o prejuízo aos acionistas.
    Será que a Petrobras precisa colocar o preço do comnbustível a um preço caro>
    Por que não corta as despesas de propagandas e patrocinio exportivos até chegar ao break even point?