São Paulo – "Não se trata de quão forte se pode bater, se trata de quão forte pode ser atingido e continuar seguindo em frente”. Não, a frase não é de Eike Batista, e sim, de um dos mais carismáticos e icônicos personagens de Hollywood, Rocky Balboa. 

Quem tem acompanhado o noticiário sobre o mercado de ações nos últimos meses, pode até desconfiar de que a petrolífera de Eike até esteja se inspirando nas palavras de incentivo do garanhão italiano, que nunca se entregava em seus combates, indo ao seu limite – e, de fato, o OGX (OGXP3) ainda não cansou de apanhar na bolsa brasileira.

Após tombos e mais tombos, os papéis da companhia já perderam 96% do valor de mercado na Bovespa.

Hoje, enquanto o mercado especulava sobre o possível pedido de recuperação judicial, os papéis iam à lona novamente, perdendo 26%, cotados a 17 centavos. Na semana, a queda chega perto de 40%.

Com base em números do plano de reestruturação proposto pela empresa a seus credores, a Empiricus calculou que o valor da ação. Considerando que a empresa vale 243 milhões de dólares, cerca de 530 milhões de reais, e que há 3,23 bilhões de ações em circulação, o valor do papel seria de 0,16 centavos, no máximo.

A Empiricus ressalta que, para a conta, for considerado o valor de uma proposta feita pela OGX, e portanto, de um “teto virtual para o preço da ação”. “Virtual e intangível, pois, se for recusado pelos credores, é porque para eles a empresa vale menos do que isso”, afirma Roberto Altenhofen, em análise.

Não jogou a toalha

A ação poderia ter sua negociação suspensa hoje, caso a OGX pedisse recuperação judicial, como tem sido especulado no mercado. No entanto, mais uma vez, a companhia afirmou que não vai jogar a toalha.

A OGX afirmou na manhã de hoje que "a decisão de ingressar no processo de recuperação judicial cabe ao Conselho de Administração da companhia, o que até o presente momento ainda não ocorreu". O informe foi feito via comunicado publicado no site da BM&FBovespa.

Duros golpes

Atualmente, a OGX está no centro de uma crise que pode resultar num pedido de recuperação judicial até o fim dessa semana. Com dívidas de cerca de 4 bilhões de dólares, a companhia tem lutado para se manter em operação.

Ontem, foram divulgados os planos de recuperação da empresa rejeitados por seus credores e a IBM cancelou serviços que prestava à OGX por falta de pagamento.

Tópicos: Bolsas de valores, Bovespa, Eike Batista, OSX, MMX, Personalidades, Empresários, Empresas, OGpar -ex-OGX, Petróleo, gás e combustíveis, Indústria do petróleo, OGXP3