O petróleo fechou abaixo da barreira dos 30 dólares pela primeira vez em 12 anos nesta sexta-feira em Nova York, derrubado pelo iminente retorno do Irã aos mercados e pelas dúvidas sobre a demanda mundial.

O barril de "light sweet crude" (WTI) para fevereiro caiu 1,78 dólares, a 29,42, o menor preço desde novembro de 2003.

Nessa semana, o petróleo caiu 11% em Nova York e acumula uma queda de 20,5% desde o começo do ano.

Em Londres, o barril de Brent do Mar do Norte, para entrega em março, recuou 2,09 dólares, a 28,94. Como nas duas últimas sessões, o Brent fechou abaixo do WTI e dos valores de fevereiro de 2004.

"Os agentes estão antecipando-se ao retorno do Irã aos mercados, o que acontecerá em questão de dias", disse James Williams, da WTRG Economics.

"A ideia que predomina é a de que as sanções contra o Irã (por seu programa nuclear) serão suspensas durante o final de semana", acrescentou.

"Se for assim, o mercado receberá um fluxo adicional de meio milhão de barris diários", advertiu Williams com base em declarações de funcionários do governo iraniano. "É isso que os preços refletem", disse.

Às preocupações pelas exportações iranianas, que engrossarão a abundante oferta mundial, soma-se a fraca economia da China, que, segundo Williams, "não traz mais nenhum dado positivo".

O medo de menor crescimento da China, maior importador mundial de petróleo, é um fator que está derrubando os preços desde o começo do ano.

Alguns analistas acreditam que isso é o que explica a debilidade mostrada nesta semana pelo Brent, o petróleo negociado na Europa. Por outro lado, influencia menos no WTI, menos sensível a questões internacionais.

"O WTI sofre pressões específicas devido a temores cada vez mais presentes de uma recessão nos Estados Unidos devido a indicadores ruins e à desaceleração da economia mundial", disse Mike Lynch, da Strategic Energy & Economic Research. "Hoje isso preocupa muito aos investidores no mercado de petróleo", assegurou.

Nessa sexta-feira, dados decepcionantes das vendas varejistas dos Estados Unidos em dezembro e um forte queda da atividade industrial na região de Nova York pesaram no ânimo dos investidores, como mostrou a forte queda registrada em Wall Street durante o dia.

Tópicos: Commodities, Estados Unidos, Países ricos, Energia, Petróleo