São Paulo - O pânico visto pelo mercado financeiro mundial nesta quinta-feira fez com que alguns analistas lembrassem da queda desenfreada das bolsas vista na famosa "segunda-feira negra", ocorrida em 19 de outubro de 1987. Naquele dia, o índice Dow Jones, o principal da bolsa de Nova York, registrou a sua maior queda, impressionantes 22,6%.

No pregão de hoje, em instantes, os índices de ações em todo o mundo passaram a despencar. Nos Estados Unidos, o índice Dow Jones, o principal da bolsa de Nova York, chegou a cair quase 10%, maior baixa vista desde aquele ano. "Isso parece com 1987", disse o famoso gestor e comentarista dos mercados financeiros, Jim Cramer, em um programa da rede americana CNBC (Assista o vídeo).

Cramer faz referência à queda das ações da Procter & Gamble. Em minutos, os papéis caíram mais de 23%. "Em 1987 houve uma derrocada e as ações pularam de 50 dólares para 12 dólares", afirmou. Assim como o visto naquele dia, a queda de hoje é um mistério. A própria CNBC levantou a possibilidade de um erro humano.

O comportamento bizarro das ações gerou especulações de que o sistema eletrônico de negociação da Bolsa de Nova York teria entrado numa espécie de colapso. De acordo com a rede de TV, o operador queria vender alguns "milhões" de ações no meio da tarde desta quinta-feira, mas apertou, por engano, a tecla que ordena a venda de "bilhões" de ações.

Até hoje 1987 ainda gera polêmica. Duas hipóteses são citadas para explicar o movimento. A primeira é o mercado futuro. Os contratos futuros no índice S&P 500 eram praticamente novos e, conforme as ações caíam naquele dia, alguns investidores vendiam os contratos, levando a um tombo ainda maior dos papéis. A outra explicação seria a de um erro em programas de computador. A queda, entretanto, também foi verificada em mercados que não tinham os programas.

Um porta-voz da NYSE disse hoje que a bolsa está investigando um "número de negócios errôneos". A Nasdaq informou que vai cancelar todas as operações executadas entre 14h40 e 15h00 (horário local) desta quinta-feira, com variação de alta ou de baixa superior a 60 por cento em relação aos preços das 14h40.

Tópicos: Ações, Bolsas de valores, Bolsas, Wall Street, Mercado financeiro