A LinkedIn vai precisar melhorar seu perfil para se reconectar com investidores depois que a rede social para profissionais perturbou o mercado com uma previsão de receita anual bem abaixo das expectativas.

As ações da LinkedIn operavam em queda de cerca de 35 por cento nesta sexta-feira, nível de preço que representa uma perda de mais de 9 bilhões de dólares em valor de mercado. A queda é a mais acentuada desde que a companhia abriu seu capital em 2011.

Pelo menos sete corretoras cortaram recomendações para a ação da LinkedIn de "comprar" para "manter", afirmando que a elevada valorização da empresa não era mais justificável.

Enquanto isso, pelo menos 22 corretoras reduziram o preço-alvo para a ação, com a RBC cortando em quase 50 por cento, para 156 dólares.

A LinkedIn previu que terá receita no ano de entre 3,6 bilhões e 3,65 bilhões de dólares, abaixo da média de estimativas de analistas de 3,91 bilhões, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S.

Ressaltando a desaceleração, a LinkedIn afirmou que o crescimento da receita publicitária caiu para 20 por cento no quarto trimestre ante 56 por cento um ano antes.

Tópicos: Ações, LinkedIn, Empresas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, Internet, Redes sociais