São Paulo - Fundos de pensão, bancos e a gestora Brookfield injetaram 2 bilhões de reais na concessionária de infraestrutura Invepar.

O investimento foi feito por meio de compra de debêntures, títulos de dívida. Em novembro do ano passado, a empresa divulgou venda de 2 bilhões de reais em debêntures simples, que não podem ser convertidas em ações da empresa.

De acordo com a Folha de S.Paulo, os fundos de pensão Previ, do Banco do Brasil, Petros, da Petrobas e Funcef, da Caixa, injetaram, juntos, 1 bilhão de reais. Eles já são sócios majoritários da concessionária, com 25% de participação cada.

Já os bancos credores da Invepar, Banco do Brasil, Bradesco, Citibanck e BTG, investiram 500 milhões de reais nos títulos. A gestora canadense Brookfield comprou os 500 milhões de reais restantes.

O montante deve ser usado para pagamento de dívidas, que em setembro somavam 3,97 bilhões de reais no curto prazo e chegam a 11 bilhões de reais no total.

A Invepar tem uma participação na controladora do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, além do MetrôRio e VLT Carioca. Ela também possui 9 concessões em rodovias no país.

A Brookfield está em conversas avançadas para comprar a participação da OAS na empresa. O valor da participação de 24,4% poderia chegar a 1,3 bilhão de reais.

A construtora brasileira está em recuperação judicial e enfrenta dificuldades desde que foi envolvida na investigação da Lava Jato. 

Tópicos: Aeroportos, Aeroporto de Guarulhos, Transportes, Transportes no Brasil, Aeroportos do Brasil, Debêntures, Mercado financeiro, Fundos de pensão, Funcef, Empresas, Setor de transporte, Invepar, OAS, Empresas brasileiras, Petros, Previ