São Paulo – O recente desempenho das ações preferenciais do BicBanco (BICB4) tem chamado a atenção do analista Eduardo Rosman, do BTG Pactual. A disparada de 26% em setembro fez o analista mudar sua opinião sobre as perspectivas do papel.

“Esperávamos este movimento de alta num prazo de 3 a 6 meses, e não em poucas semanas. No atual patamar, as ações do BicBanco perderam sua atratividade e passaram a negociar com um pequeno desconto em relação ao seu valor de mercado”, explica Rosman.

A recomendação às ações é classificada em “neutra” e o preço-alvo é de 7,50 reais, um potencial de valorização de apenas 1% considerando a cotação de fechamento da véspera.

Quanto ao desempenho operacional do banco, Rosnan prevê um segundo semestre desafiador, porém, com uma melhora na carteira de crédito e resultados mais saudáveis à partir de 2013.

O BicBanco teve lucro líquido de 26,4 milhões de reais no segundo trimestre, queda de 60,5% sobre o mesmo período de 2011.

"O resultado ainda permaneceu aquém dos padrões do banco, mas em razão do ônus remanescente por um volume alto de despesas de provisão. Adicionalmente, foi obtido em um ambiente econômico que não registrou alterações positivas significativas, ao contrário, o que valoriza ainda mais seu desempenho", afirmou o banco na ocasião.

Tópicos: Análises fundamentalistas, Mercado financeiro, BICBANCO, Bancos, Empresas, Bolsas de valores, Bovespa