Respiro

São Paulo - Após cair em janeiro, o Ibovespa encerrou o segundo mês deste ano com alta acumulada de 5,91%. Das 61 ações que compõem o índice, apenas 11 terminaram fevereiro com perdas.

No geral, a Bolsa brasileira continuou sendo afetada por sinais de desaceleração da economia chinesa, que trouxeram volatilidade aos preços das commodities

Entre as empresas, a situação mais crítica foi a da Oi (OIBR3), que acumulou baixa de mais de 26% em fevereiro. Os papéis foram afetados pelo fracasso da fusão entre a empresa e a TIM (TIMP3) e o corte de rating pela Standard & Poor's e a Fitch.

Navegue pelas fotos e descubra quais foram as dez ações do Ibovespa que mais caíram e as dez que mais subiram em fevereiro.

Tópicos: Ambev, Bebidas, Empresas, Bebidas e fumo, Empresas belgas, Empresas abertas, Ações, Banco do Brasil, Bancos, Empresas brasileiras, Bradesco, Bradespar, Holdings, CCR, Setor de transporte, Cemig, Estatais brasileiras, Energia elétrica, Empresas estatais, Serviços, Serviços financeiros, Cielo, CSN, Siderúrgicas, Siderurgia, Siderurgia e metalurgia, Desempenho, Gestão, Fibria, Papel e celulose, Papel e madeira, Gerdau, Ibovespa, Mercado financeiro, Kroton, Setor de educação, MRV, Construção civil e intermediação, Natura, Indústrias em geral, Indústria de cosméticos, Brasil Telecom, Oi, 3G, Telecomunicações, Telemar, Operadoras de celular, Empresas portuguesas, Qualicorp, Setor de saúde, Rumo ALL, Vale, Mineração, WEG, Equipamentos, máquinas e peças