São Paulo - Os dias da Oi (OIBR3) na Bolsa não têm sido fáceis. A empresa de telecomunicações viu sua ação cair até 18% apenas nesta segunda-feira (29), para a mínima de R$ 1,23. Há dois anos, o papel valia R$ 40.

Boa parte do tombo é recente: até ontem, a companhia acumulava perda de 31,5% em fevereiro e de 37,5% no ano. A EXAME.com listou abaixo três fatores que têm derrubado o preço da Oi na Bovespa.

Fusão frustrada 

A tão esperada fusão entre Oi e TIM (TIMP3) foi por água abaixo. O fundo LetterOne, do bilionário russo Mikhail Fridman, informou na semana passada que não iria mais intermediar a negociação entre as duas companhias.

Segundo a nota enviada pelo LetterOne à Oi, a Telecom Itália (dona da TIM) endereçou uma carta ao fundo dizendo que "não deseja aprofundar negociações a respeito de uma união entre a Oi e a TIM".

O fundo do homem mais rico da Rússia estava disposto a injetar US$ 4 bilhões na Oi, numa operação condicionada à fusão da companhia com a concorrente TIM.

Dívidas em excesso

O endividamento da Oi é alto. A empresa tem contas de R$ 11,5 bilhões que vencem neste ano, mas seu caixa tem algo em torno de R$ 16,5 bilhões. Por esse motivo, é necessária uma injeção de capital. 

O analista Luis Gustavo Pereira, da Guide Investimentos, disse em relatório que "a situação da Oi voltou a ficar extremamente delicada após o fim da negociação [entre o LetterOne e a dona da TIM], que durou quatro meses".

Segundo ele, a única alternativa que restou à Oi é tentar reestruturar seu endividamento. "Os ativos da empresa devem continuar pressionados", completou.

A agência internacional de notícias Bloomberg afirmou que a Oi contratou assessores para reestruturar sua dívida de R$ 60 bilhões. 

Corte de agências

Com cenário nebuloso sobre o futuro da Oi, as agências de classificação de risco Standard & Poor's e Fitch cortaram suas avaliações para a companhia. 

A S&P rebaixou a nota de crédito em escala global da empresa de BB- para B+. Já o rating em escala nacional caiu de brA- para brBBB-.

A agência colocou as notas em observação para possível rebaixamento, indicando que ambas poderão sofrer novos cortes nos próximos meses.

Já a Fitch rebaixou o rating de longo prazo em moeda local e estrangeira da Oi de BB para B. Ela também deixou a nota em observação para possível novo rebaixamento.

Tópicos: Ações, Dívidas empresariais, Fitch, Agências de rating, Empresas, Fundos de investimento, Mercado financeiro, Aplicações financeiras, Brasil Telecom, Oi, 3G, Telecomunicações, Telemar, Operadoras de celular, Empresas brasileiras, Serviços, Empresas abertas, Empresas portuguesas, Rating, Europa, Rússia, Ásia, Standard & Poor's, Telecom Italia, Telecom, Setores, Telefonia, TIM, Empresas italianas