São Paulo - Confira as principais novidades desta segunda-feira (01):

Governo pode acabar com programas sociais

O ministro do Planejamento, Valdir Simão, afirma que o governo pretende dar fim a programas federais defasados e reforçar os que estiverem sendo eficazes. De acordo com informações divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo, ele inclui Farmácia Popular, Garantia Safra, UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e construção de creches Pró-Infância entre a berlinda dos programas a serem reavaliados. “O Bolsa Família tem que continuar”, garantiu o ministro.

HSBC vai congelar salários e contratações

O banco enviou um e-mail a funcionários detalhando um plano global de congelamento de salários e novas contratações ao longo de 2016. Com a medida, o HSBC quer reduzir custos, atrair de volta seus acionistas e espera uma economia anual de US$5 bilhões até o próximo ano.

Cidades do interior lideram vendas da CVC

Pela primeira vez, as cidades do interior foram responsáveis pela maior parte das vendas da agência de viagens CVC. Em 2015, em resposta ao plano de interiorização de franquias da empresa, as cerca de 300 cidades arrecadaram R$2,61 bilhões. O montante equivale a 50,3% dos R$5,2 bilhões faturados no ano.

S&P corta rating da CSN e mantém perspectiva negativa

A Standard & Poors rebaixou o rating em escala global da Companhia Siderúrgica Nacional para "B+", ante "BB-", por condições mais fracas do mercado, e manteve a perspectiva negativa. "A produtora de aço brasileira CSN enfrenta um contínuo enfraquecimento da demanda doméstica e forte competição no mercado externo", diz a S&P.

Chinesa está à procura de construtora no Brasil

A China Railway Group quer comprar uma construtora de médio a grande porte no país para executar projetos de infraestrutura no Brasil. De acordo com reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, os chineses pretendem investir em ferrovias e mobilidade urbana e cogitam entrar na próxima rodada de concessões. O entrave para o negócio está em encontrar uma construtora de “centenas de milhões” que não esteja envolvida nos escândalos da Operação Lava Jato.

Hypermarcas vende divisão de camisinhas à Reckitt Benckiser

A Hypermarcas firmou um contrato de compra e venda com a Reckitt Benckiser (Brasil) Ltda. ("RB") e a Nances Holdings Ltda., subsidiária da Hypermarcas, para a venda de seu negócio de preservativos. O valor da operação é de R$ 675 milhões.

JBS vê US$ 345 milhões evaporarem no mercado de dívida

Os bonds da JBS totalizaram perdas de US$ 345 milhões em valor de mercado desde o fechamento de segunda-feira, um dia antes de o Ministério Público Federal em São Paulo acusar Joesley Batista, presidente do conselho de administração da JBS, de crimes contra o sistema financeiro.

Ouro é o investimento mais rentável do mês

O ouro lidera os investimentos em janeiro, com ganho nominal de 4,80%. O metal norteou as atividades do mês nesse turbulento começo de ano e superou o dólar, que teve avanço de 3,53% desde dezembro.

S&P prevê que América Latina sofrerá recessão em 2016

A economia da América Latina recuará 0,2% em 2016, em vez de crescer 0,5% como havia sido previsto anteriormente. Segundo a nova estimativa, a contração do Brasil será de 3%, anunciou a agência de classificação. A S&P justificou seu corte da projeção de crescimento deste ano para a região devido à "fraca perspectiva para o Brasil".

BR Pharma aprova emissão de ações por R$3,78 por papel

O Conselho da BR Pharma aprovou o preço por ação no aumento de capital de 400 milhões de reais em 3,78 reais por papel. A determinação ocorreu devido a inexistência de demanda suficiente de investidores para a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimentos realizado no Brasil e no exterior.

Tópicos: América Latina, Ações, Brasil Pharma, Setor de saúde, Empresas, CSN, Siderúrgicas, Siderurgia, Siderurgia e metalurgia, Empresas brasileiras, Empresas abertas, Hypermarcas, Indústrias em geral, JBS, Carnes e derivados, Mercado financeiro, Recessão, Reckitt Benckiser, Standard & Poor's, Agências de rating