Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Itaú BBA corta preço-alvo da Cielo, mas mantém recomendação

Depois da mudança autorizada pelo governo no mercado de cartões, o Itaú BBA reduziu a perspectiva de preço da ação da Cielo

O Itaú BBA cortou o preço-alvo para Cielo de R$ 40,5 para R$ 34 por ação, mas manteve a recomendação em market perform (desempenho de acordo com a média do mercado).

O banco ressaltou que a nova análise segue as recentes mudanças regulatórias para o mercado de cartões e suas implicações em Cielo.

Segundo os analistas Alexandre Spada, Thiago Bovolenta Batista e Vitor Corona, que assinam o relatório, a expectativa é de que o momento de lucros da Cielo seja moderado nos próximos trimestres, sendo parcialmente compensado por uma melhora na dinâmica de custos. O Itaú BBA projeta Ebitda de um dígito e crescimento do ganho por ação (EPS, na sigla em inglês) em 2017.

Sobre a cobrança diferenciada de preços de acordo com o meio de pagamento (cartão de crédito, débito ou dinheiro), o Itaú BBA avalia que as transações com cartão de crédito podem ser “canibalizadas” pelas operações com débito ou dinheiro, prejudicando as receitas da Cielo.

Já em relação à cobrança do ISS, que não será mais baseada na cidade de origem da empresa mas sim no município onde ocorrer a transação, o banco projeta implicações para a Cielo a partir de 2018, já que a taxa hoje paga pela empresa é bastante baixa. A reforma do ISS foi aprovada pelo Congresso.

Outra mudança esperada pelo setor é de diminuição dos dias de pagamento ao lojista, hoje de 30. Segundo o Itaú BBA, as consequências para Cielo são diversas, incluindo um declínio no volume de pré-pagamento, entre outras.