Dólar R$ 3,15 -1,03%
Euro R$ 3,70 -0,04%
SELIC 9,25% ao ano
Ibovespa 1,09% 68.715 pts
Pontos 68.715
Variação 1,09%
Maior Alta 4,27% BBSE3
Maior Baixa -2,04% JBSS3
Última atualização 18/08/2017 - 17:20 FONTE

Dólar sobe 1,45% e fecha a R$ 3,50, puxado por queda do yuan

A notícia de que o Banco do Povo da China (PBoC) promoveu uma desvalorização de 1,9% do yuan frente ao dólar americano impôs perdas em todo o mundo

São Paulo – Em uma sessão de forte influência do cenário internacional, o dólar à vista fechou em alta de 1,45% nesta terça-feira, 11, cotado a R$ 3,50.

A notícia de que o Banco do Povo da China (PBoC) promoveu uma desvalorização de 1,9% do yuan frente ao dólar americano impôs perdas em todo o mundo, em particular nos países exportadores de commodities, como o Brasil.

Com a medida, o BC chinês buscou estimular a enfraquecida economia do país, por meio de uma maior competitividade em suas exportações.

A desvalorização do câmbio da segunda maior economia do mundo deflagrou uma série de ajustes nos mercados, com queda dos preços das commodities, das bolsas de valores e dos juros dos títulos do Tesouro norte-americano.

No caso dos títulos americanos, a queda das taxas refletiu não apenas a busca dos investidores por ativos de menor risco, mas também a possibilidade de o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) ter de adiar o início do ciclo de ajustes dos juros locais.

No fim da tarde, o juro do T-Note de dois anos tinha taxa de 0,677%, enquanto a taxa do título de dez anos recuava para 2,138%.

Diante da agitação no cenário internacional, o ambiente político doméstico se manteve em segundo plano, embora monitorado de perto. No início da tarde, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), minimizou a aproximação entre o governo e o Senado, a partir do plano de 27 medidas apresentadas por Renan Calheiros (PMDB-AL).

Cunha ressaltou que o País tem um sistema bicameral e, por isso, as propostas legislativas precisam passar pela aprovação também da Câmara. No Brasil, a cotação do dólar oscilou entre a mínima de R$ 3,459 (+0,26%) e a máxima de R$ 3,516 (+1,91%).