Dólar para sequência de 3 sessões de alta e cai 0,84%

A moeda dos Estados Unidos oscilou em baixa durante todo o dia

São Paulo – Com as mesas de operações já mais esvaziadas com a proximidade do Natal, o dólar interrompeu nesta segunda-feira, 23, uma sequência de três sessões de ganhos e recuou 0,84% ante o real no balcão, para R$ 2,3610. Além do viés de baixa da moeda no exterior, a queda foi influenciada pela entrada de recursos pela manhã no Brasil e pelos dados positivos da balança comercial na terceira semana de dezembro.

A moeda dos Estados Unidos oscilou em baixa durante todo o dia. Na máxima da sessão, logo na abertura, atingiu R$ 2,3800 (-0,04%) e, na mínima, às 16h26, após os números da balança comercial e na reta final dos negócios, marcou R$ 2,3600 (-0,88%). No fim do dia, o giro financeiro à vista somava R$ 1,156 bilhão, de acordo com a clearing de câmbio da BM&FBovespa – US$ 1,155 bilhão em D+2. No mercado futuro, o dólar para janeiro cedia 1,17%, para R$ 2,3640.

Pela manhã, o dólar registrava perdas ante o real por causa da valorização mais recente, mas também do leilão de swap promovido pelo Banco Central (BC), dentro da programação diária. Na operação desta segunda-feira, o BC vendeu 10 mil contratos de swap (equivalente à venda de moeda no mercado futuro, injetando US$ 496,1 milhões no sistema. Além disso, profissionais citavam a entrada de US$ 500 milhões no Brasil, o que ajudou a definir a trajetória de queda da moeda.

À tarde, os dados da balança comercial intensificaram as perdas do dólar ante o real. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,008 bilhão entre o dia 16 e este domingo, 22, com exportações de US$ 6,518 bilhões e importações de US$ 5,510 bilhões.

Desde o início de dezembro, o superávit comercial brasileiro é de US$ 1,116 bilhão, saldo de US$ 15,602 bilhões em embarques e US$ 14,486 bilhões em compras do exterior. De janeiro até a terceira semana de dezembro, o superávit comercial é de US$ 1,023 bilhão.

“A balança um pouco melhor ajudou o dólar a renovar mínimas. Lá fora, também está um pouco melhor, o que contribui para o movimento aqui”, afirmou durante a tarde operador de uma corretora de São Paulo.

“Sem dúvida, a balança ajudou (na queda do dólar), já que era o principal indicador doméstico”, acrescentou o operador de câmbio da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva Filho, lembrando que os ganhos do dólar vistos na semana passada abriram espaço hoje para realizações.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.