Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 0,21%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,33% 63.498 pts
Pontos 63.498
Variação 1,33%
Maior Alta 5,80% SMLE3
Maior Baixa -3,22% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 16:12 FONTE

Dólar cai ante real em dia de baixo volume de negociações

Às 10:27, o dólar recuava 0,43 por cento, a 3,3569 reais na venda, depois de ceder 0,56 por cento na véspera

São Paulo – O dólar operava em leve baixa ante o real nesta terça-feira, pelo segundo pregão seguido, com fluxo de venda amplificado devido ao volume de negócios mais enxuto.

Os investidores estavam ainda de olho na cena externa, com o BC novamente não anunciando intervenção no mercado de câmbio, pelo menos por enquanto.

Às 10:27, o dólar recuava 0,43 por cento, a 3,3569 reais na venda, depois de ceder 0,56 por cento na véspera. O dólar futuro exibia variação negativa de cerca de 0,4 por cento nesta manhã.

“O político está praticamente parado e o Judiciário, em vias de parar. A menos que aconteça alguma grande novidade que possa impactar o governo até o final do ano, o dólar deve ficar oscilando mais ou menos onde está”, comentou o trader da Ouro Minas Corretora, Mauricio Gaioti.

Com a proximidade das festas de final de ano, os mercados financeiros já começaram a tirar o pé do acelerador, reduzindo bastante o volume de negócios.

A cena política brasileira, no entanto, continuava no radar e ajudando os investidores a manterem a cautela, em meio aos vazamentos de delações de executivos da Odebrecht que atingiram figuras importantes do governo, inclusive o presidente Michel Temer.

Nesta manhã, o presidente do BC, Ilan Goldfjan, divulgará algumas medidas para ajudar na recuperação da economia, que incluem cidadania financeira e melhoria da eficiência do sistema financeiro, entre outros.

No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas em direção à máxima de 14 anos, sustentado por declarações favoráveis da chair do Federal Reserve, Janet Yellen, na véspera e que mantiveram vivas as expectativas de ritmo mais rápido de alta dos juros nos Estados Unidos no próximo ano.

O BC brasileiro continuava fora do mercado de câmbio.