Coinvalores revisa projeções e mantém sugestão de compra para CCR

Escoamento da produção agrícola e industrial pelas estradas e rodovias deve potencializar os papéis, prevê corretora

São Paulo – As ações da concessionária de rodovias CCR (CCRO3) tiveram a recomendação de compra reiterada nesta sexta-feira (22) pelo analista Marco Aurélio Barbosa da Coinvalores, que destacou em relatório os bons fundamentos da companhia, além da maturação dos projetos da empresa, apesar de ter descartado novos investimentos e aquisições no mercado secundário.

A corretora estabeleceu um preço-alvo de 60 reais em 12 meses para as ações ordinárias, o que representa um potencial de valorização de 34,52% frente à cotação de 44,60 reais vista no fechamento do pregão de ontem (21). No acumulado do mês, os papéis da CCR recuam 2,45%, enquanto no ano a perda é de 2,93%.

Segundo Barbosa, a CCR deve se beneficiar do escoamento da produção agrícola e industrial brasileira pelas estradas e rodovias, o que poderá potencializar as ações da empresa. “O setor também será favorecido pelo crescimento da renda da população brasileira que, por sua vez, deve resultar no aumento das vendas de veículos e, consequentemente, na expansão do tráfego de automóveis de passeio pelas estradas”, explica.

O analista da Coinvalores acredita que as rodovias continuarão sendo a principal fonte de receita da CCR. Ele ainda aposta nos investimentos feitos pela empresa em negócios de transportes, mas fora das estradas, principalmente relacionados à realização de Copa do Mundo e Olimpíadas no Brasil.

Barbosa acredita que a atuação da CCR através da STP (que controla o sistema “Sem Parar” de pagamento de pedágio) e da ViaQuatro, que opera a linha amarela do metrô de São Paulo, também deverá impulsionar as receitas da companhia nos próximos anos.

Resultados

Ao avaliar o desempenho recente da CCR, o analista da Coinvalores afirmou que a concessionária de rodovias apresentou uma boa performance no primeiro trimestre do ano. Mesmo apesar do lucro líquido ter ficado praticamente estável em comparação à igual período de 2010, principalmente por conta de uma piora do resultado financeiro, Barbosa estima que a CCR deverá distribuir proventos menores que o observado no ano passado, “mas ainda assim interessantes”.