Dólar R$ 3,15 -1,03%
Euro R$ 3,70 0,06%
SELIC 9,25% ao ano
Ibovespa 1,09% 68.715 pts
Pontos 68.715
Variação 1,09%
Maior Alta 4,27% BBSE3
Maior Baixa -2,04% JBSS3
Última atualização 18/08/2017 - 17:20 FONTE

Cobre opera em alta, diante do recuo do dólar

Às 10h45 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,5%, a US$ 4.658 a tonelada na London Metal Exchange (LME)

Londres – Os contratos futuros de cobre operam em alta na manhã desta quinta-feira, com o dólar mais fraco elevando a demanda dos investidores pelo metal industrial.

Como o cobre é cotado na moeda dos EUA, nesse caso ele se torna mais barato para os detentores de outras divisas.

Às 10h45 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,5%, a US$ 4.658 a tonelada na London Metal Exchange (LME), após atingir a máxima em um mês mais cedo, a US$ 4.690 a tonelada.

Às 10h55, o cobre para março subia 1,00%, a US$ 2,1160 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Na quarta-feira, investidores deixaram o dólar, em meio à queda na perspectiva para a taxa dos juros nos EUA e ao nervosismo sobre a economia global. O índice Dólar WSJ, que compara a moeda ante uma cesta de 16 rivais, recuou ao nível mais baixo em um mês.

Nesta quinta-feira, o dólar ainda mostra fraqueza, o que impulsiona a demanda pelos metais.

O Commerzbank afirmou, em nota, que os preços dos metais não parecem refletir dados econômicos fracos dos EUA, mas reagem mais diante da depreciação do dólar.

Além disso, o diretor da principal agência de planejamento econômico da China disse na quarta-feira que o crescimento do PIB do país permanecerá na faixa entre 6,5% e 7% neste ano.

A China é o maior consumidor de cobre, responsável por cerca de 45% da demanda global. A demanda sazonal também pode contribuir para a estabilização no mercado, com ajustes de posições antes do Ano Novo Lunar na China.

Outros metais operavam em alta na LME.

O alumínio subia 1%, a US$ 1.540 a tonelada, o zinco avançava 0,6%,a US$ 1.706,50 a tonelada, o níquel operava em alta de 0,8%, a US$ 8.585 a tonelada, o chumbo subia 1,3%, a US$ 1.816,50 a tonelada e o estanho tinha alta de 1,2%, a US$ 15.080 a tonelada.