Bovespa vai às mínimas após abertura em NY

Às 10h35 o Ibovespa Futuro operava em queda de 0,85%, aos 53.595,08 pontos

São Paulo – Em queda desde o início dos negócios, a Bovespa marcou novas mínimas na manhã desta segunda-feira, 7, logo após a abertura do pregão regular em Nova York. Às 10h35 o Ibovespa Futuro operava em queda de 0,85%, aos 53.595,08 pontos, acompanhando o mau humor externo.

Na Europa, a queda inesperada na produção industrial na Alemanha pressiona as bolsas, enquanto nos Estados Unidos a cautela prevalece antes do início da temporada de balanços corporativos, amanhã, e da divulgação da ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve, na quarta-feira.

Dos 70 papéis que compõem a carteira teórica do Ibovespa, apenas nove registram ganhos no momento. Entre as ações de maior peso no Ibovespa, Petrobras exibe perdas de 1,47% (PN) e 1,41% (ON), enquanto Vale tem baixas de 0,79% (PNA) e de 1,02% (ON).

Os bancos também operavam em queda, entre eles Itaú Unibanco PN (-0,09%), Bradesco PN (-1,01%), Banco do Brasil (-0,24%) e units do Santander (-0,78%).

Em Wall Street, as bolsas abriram o pregão regular confirmando o viés de baixa exibido no pré-mercado. O índice Dow Jones cai 0,39%, o S&P 500 tem baixa de 0,32% e o Nasdaq recua 0,24%.

No mercado de câmbio, o dólar segue em alta ante o real, cotado a R$ 2,2190 (+0,18%), em linha com o viés de valorização visto no exterior em relação a outras moedas de países emergentes e ligadas a commodities.

O viés positivo ocorre em meio a uma liquidez ainda reduzida e aos leilões de swap cambial do BC, após o feriado norte-americano na última sexta-feira. Na BM&FBovespa, o dólar para agosto subia 0,18%, negociado a R$ 2,2345.

Logo mais, entre 11h30 e 11h40, haverá mais uma tranche de rolagem do vencimento de swap de 1º/08/2014. O Banco Central ofertará até 7 mil contratos de swap com data de vencimento para 04/05/2015 e 1º/07/2015. O resultado dessa operação será divulgado a partir das 11h50.

No mercado de juros futuros os agentes aguardam agora os dados da Anfavea em junho, que podem sinalizar o ritmo da produção industrial no mesmo período e também do PIB no trimestre passado. A divulgação estava prevista para 10h30, mas foi adiada para as 11h30.

Há pouco, as taxas rondavam os níveis dos ajustes da última sessão. Um ligeiro viés de alta tenta se firmar entre os vértices intermediários e longos, diante do avanço do dólar e também do comportamento volátil dos juros dos Treasuries de 10 anos.