Bolsas europeias fecham em alta com ganhos em NY

Os investidores receberam de maneira positiva as notícias sobre uma amenização dos conflitos na Ucrânia

São Paulo – Os mercados acionários da Europa fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, 21, acompanhando os ganhos em Wall Street após uma semana de indicadores divergentes da região e dos EUA.

Os investidores receberam de maneira positiva as notícias sobre uma amenização dos conflitos na Ucrânia.

Por outro lado, a Bolsa de Milão foi a única entre as principais a encerrar o pregão em baixa, com os agentes do mercado à espera do anúncio dos ministros que devem compor o novo governo italiano. O índice Stoxx Europe 600 fechou em alta de 0,39%, aos 336,09 pontos, com um avanço de 0,83% na semana.

Em meio a uma aparente amenização das tensões na Ucrânia, os líderes da oposição assinaram um acordo com o presidente Viktor Yanukovych e mediadores da União Europeia (UE) para a realização de eleições antecipadas e a formação de uma novo governo, na expectativa de encerrar a violenta crise política no país.

O acordo pode significar o principal passo para encerrar a crise que se refere, entre outras coisas, ao futuro e à identidade da Ucrânia. Uma questão importante é se os milhares de manifestantes acampados na principal praça central de Kiev vão acatar o pacto assinado pelas lideranças.

Dois porta-vozes da oposição disseram que o acordo foi assinado no gabinete do presidente ucraniano nesta sexta-feira, mas não divulgaram detalhes.

As notícias vindas da Ucrânia contribuíram para o sentimento positivo dos investidores em um dia de poucos indicadores econômicos. Entre os números da região divulgados hoje, dois dados vieram do Reino Unido. As vendas no varejo caíram 1,5% em janeiro ante dezembro, mas avançaram 4,3% na comparação anual.


O resultado mensal veio em linha com a expectativa, mas a variação anual ficou abaixo da previsão de alta de 4,6%. Além disso, o setor público do país registrou um superávit de 4,718 bilhões de libras em janeiro, o pior resultado mensal de janeiro desde 2010.

Os ganhos em Wall Street também ajudaram a sustentar a tendência de valorização observada nas bolsas da Europa. Apesar de um indicador fraco do setor de moradia norte-americano, os índices de Nova York operaram em terreno positivo.

O índice FTSE-100, da Bolsa de Londres, fechou com alta de 0,37%, a 6.838,66 pontos. O aumento semanal do índice foi de 2,62%. Contribuindo para o avanço, a Vodafone encerrou o dia em alta de 3% após a empresa de telecomunicações afirmar que o acordo para vender sua participação de 45% na Verizon Wireless para a Verizon Communications foi concluído nesta sexta-feira.

Na Bolsa de Frankfurt, o índice DAX subiu 0,40%, aos 9.656,95 pontos. Na semana, o índice teve queda de 0,06%. Entre os principais avanços, a Infineon e a Deutsche Boerse ganharam 2,5% nesta sexta-feira.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 fechou com ganhos de 0,59%, a 4.381,06 pontos. Na semana, o índice teve queda de 0,94%. Ações de empresas do setor industrial lideraram os ganhos hoje: os papéis do Saint-Gobain subiram 3,8% e os da Technip avançaram 2,5%. As ações da Total tiveram alta de 1,6%.

Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 subiu 0,73%%, a 7.228,49 pontos, um avanço semanal de 1,35%. O índice IBEX 35, da Bolsa de Madri, ganhou 0,09%, aos 10071,00 pontos, hoje, o que levou a uma queda semanal de 0,61%.

O índice FTSE Mib da Bolsa de Milão foi o único a fechar em queda nesta sexta-feira, em um dia de fraco volume de negociações.

De acordo com operadores, os agentes do mercados estavam esperando o anúncio dos novos ministros que devem compor o gabinete do primeiro-ministro designado, Matteo Renzi. Segundo uma fonte, o economista-chefe da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Pier Carlo Padoan, deve ser nomeado novo ministro de economia da Itália.

Padoan, de 64 anos, terá de mediar sua agenda entre as questões do governo e seus compromissos europeus. Com isso, o índice cedeu 0,30%, a 20.391,90 pontos, nesta sexta-feira e recuou 0,24% na semana. Com informações da Dow Jones.