Bolsas da Ásia têm máximas apesar de notícias ruins da China

Os marcos alcançados incluíam uma máxima de 15 anos no Japão, picos de sete anos para China e Taiwan e uma máxima de quase quatro anos na Coreia do Sul

Sydney – Os índices asiáticos superaram uma leitura fraca sobre atividade industrial na China nesta quinta-feira uma vez que os números apenas alimentaram expectativas de mais estímulos de política no país.

Os marcos alcançados incluíam uma máxima de 15 anos no Japão, picos de sete anos para China e Taiwan e uma máxima de quase quatro anos na Coreia do Sul.

Às 7h52 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão avançava 0,12 por cento, após ter atingido alta de 0,5 por cento e alcançado patamares vistos pela última vez no começo de 2008 na sessão.

Os ganhos vieram apesar de uma queda no Índice de Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar do HSBC para a atividade industrial na China a uma mínima de um ano de 49,2 em abril, quando o consenso era de que a leitura ficaria estável em 49,6.

Também não eram boas as notícias do Japão, onde o PMI preliminar do Markit/JMMA caiu para 49,7 em abril ante leitura final de 50,3 em março.

Mesmo assim os mercados viram os números com tranquilidade já que se somaram à especulação de que mais afrouxamento dos bancos centrais de ambos os países será necessário.