Bolsas da Ásia têm leve recuperação com PIB chinês

Embora os números do PIB tenham sido fracos, eles mostraram que a desaceleração na economia chinesa não está tão ruim quanto os investidores temiam

Tóquio – A maioria dos mercados asiáticos fechou em alta nesta sexta-feira, mas recuperando apenas uma pequena parte das perdas da véspera. O PIB da China do segundo trimestre, que veio em linha com as previsões dos analistas, deu algum ânimo aos investidores.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong. Embora os números do PIB tenham sido fracos, eles mostraram que a desaceleração na economia chinesa não está tão ruim quanto os investidores temiam. O Hang Seng ganhou 0,35% e terminou aos 19.092,63 pontos – na semana, contudo, o índice acumulou queda de 3,57%.

Já a Bolsa de Xangai, na China, fechou estável, com os investidores andando de lado em meio às preocupações sobre a economia doméstica, após o PIB apresentar o menor ritmo de crescimento desde o primeiro trimestre de 2009. O Xangai Composto terminou aos 2.185,90 pontos, com perda semanal de 1,7%. Por sua vez, o Shenzhen Composto perdeu 0,6%, aos 922,62 pontos.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé encerrou o dia em baixa, com o índice Taiwan Weighted recuando 0,37%, aos 7.104,27 pontos. Permanece a saída de recursos estrangeiros, após dados recentes acusarem as frágeis condições econômicas domésticas, dizem analistas.

A Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou em alta após cinco sessões consecutivas em queda. As expectativas de uma reviravolta na economia chinesa sustentaram o índice Kospi, que subiu 1,54%, aos 1.812,89 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney também fechou no campo positivo. A divulgação do PIB da China dissipou as preocupações de que o maior parceiro australiano estivesse caminhando para um pouso forçado. O índice S&P/ASX 200 subiu 0,35%, aos 4.082,20 pontos, com destaque para o setor financeiro.

Após cinco pregões seguidos de retração, a Bolsa de Manila, nas Filipinas, teve ligeira alta. O PSEi subiu 0,2% e encerrou aos 5.214,52 pontos, com pesado volume de negociações. As informações são da Dow Jones.