Bolsas chinesas recuam pelo 2º dia com maior oferta de ações

Índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,7 por cento

Xangai / Tóquio – Os mercados da China recuaram pelo segundo dia nesta quarta-feira, pressionados pelo aumento na oferta de ações e com os investidores realizando lucros em ações estatais, que haviam se valorizado com as expectativas de reforma.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,7 por cento, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,77 por cento.

Analistas disseram que aprovações mais rápidas das ofertas públicas iniciais de ações e o aumento da emissão de ações adicionais pelas empresas listadas na bolsa aumentaram a oferta no mercado.

Já o índice MSCI atingiu máxima de dois meses, com os investidores aguardando a entrevista à imprensa do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, nesta quarta-feira, para obter pistas sobre suas políticas relacionadas a impostos, gastos fiscais, comércio internacional e câmbio.

O índice MSCI, que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, tinha alta de 0,47 por cento às 7:44 (horário de Brasília), voltando essencialmente para o nível em que estava pouco antes da eleição dos EUA em 8 de novembro, e recuperando-se das perdas pós-eleitorais de mais de 5 por cento.

. Em Tóquio, o índice Nikkei avançou 0,33 por cento, a 19.364 pontos.

. Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,84 por cento, a 22.935 pontos.

. Em Xangai, o índice SSEC perdeu 0,77 por cento, a 3.137 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, retrocedeu 0,70 por cento, a 3.334 pontos.

. Em Seul, o índice KOSPI teve valorização de 1,47 por cento, a 2.075 pontos.

. Em Taiwan, o índice TAIEX registrou baixa de 0,04 por cento, a 9.345 pontos.

. Em Cingapura, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,17 por cento, a 3.000 pontos.

. Em Sydney o índice S&P/ASX 200 avançou 0,19 por cento, a 5.771 pontos.