Bolsa sobe quase 6% e dólar cai a R$ 3,64 após grampo da PF

Divulgação de conversa entre Dilma e Lula alimenta apostas do mercado no impeachment da presidente; ações de estatais disparam

São Paulo – O Ibovespa disparou quase 6% e o dólar caiu até R$ 3,642 na abertura das negociações nesta quinta-feira (17). Os investidores apostavam na eventual troca de governo, depois da divulgação de conversas entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Os áudios foram gravados pela Polícia Federal no âmbito da operação Lava Jato, comandada pelo juíz Sérgio Moro

Em uma das conversas, a presidente Dilma diz que estava enviando um emissário para entregar a Lula o termo de posse no comando da Casa Civil da Presidência para ele usar “em caso de necessidade”.

Empossado no cargo, Lula deixa de ser investigado em São Paulo e Curitiba, onde atua Moro, e ganha foro privilegiado. Ou seja, passa a ser responsabilidade do STF (Supremo Tribunal Federal).

Analistas afirmaram que os desdobramentos políticos têm enfraquecido o Partido dos Trabalhadores e, com isso, aumentado a chance de impeachment da presidente Dilma.

Às 11h05 (de Brasília), o Ibovespa subia 4,31%, para 49.820 pontos. O volume financeiro girava em torno de R$ 1,7 bilhão. O índice era puxado por ações de estatais, como Petrobras (PETR4) e Banco do Brasil (BBAS3).

Os papéis preferenciais da Petrobras subiram mais de 12% na abertura das negociações e, às 11h05, tinham alta de 7,88%, para R$ 7,80 cada um. Já o BB viu sua ação deslanchar 17% no início da sessão, mas às 11h05 mostrava valorização mais amena, de 7,13%, para R$ 19,38.

No câmbio, o dólar comercial mostrava queda de 2,17%, a R$ 3,658 na venda, depois de ter atingido mínima na casa de R$ 3,64 no início do dia. Ontem, a moeda americana já havia caído 0,64%.

O dólar acompanha no Brasil a tendência de valorização da moeda no exterior, após o Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos) ter sinalizado ontem que o ritmo de aumento de juros na economia americana será mais lento do que o previsto.