Bolsa de Tóquio tem alta de 1,2% com Europa e China

Mesmo com outra forte queda das ações da Olympus, o índice Nikkei 225 avançou 99,93 pontos e fechou aos 8.755,44 pontos

Tóquio – A Bolsa de Tóquio fechou em alta, com o sentimento do mercado apresentando melhora geral graças à diminuição das preocupações com as dívidas soberanas da Europa depois da planejada renúncia do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi. Mesmo com outra forte queda das ações da Olympus, o índice Nikkei 225 avançou 99,93 pontos, ou 1,2%, e fechou aos para 8.755,44 pontos.

O índice começou o pregão em alta e permaneceu acima da linha de equilíbrio por todo o dia. O sentimento do mercado foi ajudado pela promessa de Berlusconi de renunciar, como forma de restaurar a confiança dos investidores em seu país, que se debate sob um dívida de 1,9 trilhão de euros (US$ 2,6 trilhões). Ao mesmo tempo, os dados de inflação da China, que mostraram alta anual de 5,5% em outubro, sustentaram a expectativa de que o país comece a afrouxar sua política monetária.

No entanto, os ganhos foram limitados por mais um desempenho preocupante das ações da Olympus, que fecharam no nível mais baixo pelo segundo pregão consecutivo. A queda chegou a 20%, em seguida a uma reportagem do jornal “Nikkei”, segundo a qual as perdas com títulos que a empresa admitiu ter escondido chegaram a mais de 100 bilhões de ienes (US$ 1,289 bilhão). Na terça-feira, a fabricante de máquinas fotográficas admitiu que escondeu perdas com investimentos desde os anos 90, e que tentou limpar seus registros contábeis usando quatro compras de empresas feitas mais de 20 anos depois. As informações são da Dow Jones