Bolsa cai 2,7%; Cosan tem lucro…

Ibovespa cai 2,7%

O Ibovespa fechou o dia com queda de 2,7% nesta sexta-feira, acompanhando a baixa dos índices de Nova York. Por aqui, analistas apontam que as declarações do novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tiveram pouco impacto na bolsa. Investidores aguardam o anúncio da equipe de Meirelles na próxima segunda-feira. O dólar fechou o dia em 3,52 reais, uma alta de 1,47%. Num dia de queda no preço do minério, as ações da CSN caíram 12,7%; e as da siderúrgica Gerdau, 6,7%. Na semana, o Ibovespa fecha com alta de 0,17%.

_

Cosan tem lucro

Num dia de grandes baixas, a maior alta do Ibovespa ficou por conta das ações da empresa de infraestrutura Cosan. Suas ações ordinárias subiram 2,3% depois de a companhia anunciar lucro de 248,7 milhões de reais no primeiro trimestre, ante prejuízo de 43,7 milhões de reais um ano antes. Segundo analistas do banco BTG Pactual, o resultado foi forte com crescimento em todos os segmentos.

_

Petrobras fecha em queda

As ações ordinárias da Petrobras caíram 4,6%; e as preferenciais, 3,3%. A queda acompanha o dia de baixa no preço do petróleo. Além disso, ontem a companhia divulgou um prejuízo de 1,25 bilhão de reais no primeiro trimestre, bem abaixo da expectativa do mercado. A estatal também anunciou a venda de filiais que mantinha na Argentina e no Chile por 1,4 bilhão de dólares.

_

Lucro da Copel despenca

As ações da companhia paranaense de energia elétrica Copel caíram 7% depois de anunciar uma queda de 71% no lucro no primeiro trimestre. O resultado divulgado foi um lucro de 136 milhões de reais. O lucro operacional da empresa teve queda de 36,7%, para 528 milhões de reais.

_

Atividade econômica

A atividade econômica brasileira recuou 1,44% no primeiro trimestre deste ano em relação aos três meses anteriores, segundo dados divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira. Em março, o IBC-Br, indicador de atividade do Banco Central, caiu 0,36% na comparação com fevereiro.

_

Bem na fita

A fabricante de aviões Embraer é a empresa brasileira com mais visibilidade e reputação no exterior, segundo um estudo da agência de comunicação britânica AJA Media Solutions. Para a avaliação, a AJA pesquisou e analisou a cobertura da mídia em 18 países, em cinco idiomas, durante o ano passado. O volume de notícias sobre os aviões da Embraer é muito superior ao de sua concorrente mais próxima, a canadense Bombardier, por exemplo. Além disso, a AJA ressaltou que a Embraer consegue ter aviões regionais relacionados pela mídia a nomes como o da rainha Elizabeth, “uma associação de sonho para qualquer empresa no mundo”.