Dólar R$ 3,15 -1,03%
Euro R$ 3,70 0,06%
SELIC 9,25% ao ano
Ibovespa 1,09% 68.715 pts
Pontos 68.715
Variação 1,09%
Maior Alta 4,27% BBSE3
Maior Baixa -2,04% JBSS3
Última atualização 18/08/2017 - 17:20 FONTE

BCE tem um “plano secreto” para destruir o euro, diz economista

Para economista global do UBS, o membro do BCE, Juergen Stark, tem atuado para o fim da moeda única da região

São Paulo – As declarações do membro do comitê de política monetária do BCE (Banco Central Europeu), o alemão Juergen Stark, contribuem para a instabilidade dos mercados e revelam um “plano secreto” para derrubar o euro, afirma o economista global do UBS, Paul Donovan, em relatório distribuído para clientes na manhã desta sexta-feira.

Stark disse ao jornal alemão Handelsblatt que não defende a emissão de um título de dívida comum para a Zona do Euro. Os “Eurobonds” teriam as garantias de todos os países integrantes da região, o que poderia aumentar a confiança dos investidores. Atualmente, por exemplo, quando a Itália vai ao mercado, a garantia é apenas o seu orçamento.

Para Donovan, Stark tem, na verdade, um “plano secreto para destruir o euro”. “Ele não gosta dos Eurobonds ou de juros baixos, ou ainda um maior EFSF (plano de recompra de títulos dos países da Zona do Euro). Ele gosta de dor e disciplina (fiscal). Esse tipo de comentário aumenta as dúvidas dos investidores e a viabilidade do euro”, dispara.

O membro do BCE também disse que manter o juro baixo por muito tempo é perigoso e traz muitos riscos. “Uma política como essa contribui para a tomada excessiva de risco e investimentos errados e, portanto, mina o crescimento potencial da economia”, disse ele.

Nos EUA

O economista avalia que, nos EUA, a política para os mercados não é tão temerária. “O que dá medo é a mudança inacreditável nos números de confiança, que são inconsistentes com os dados da economia real, mas consistentes com o teor da mídia”, ressalta.

Não há razão para tentar utilizar rótulos como “segundo mergulho – double dip em inglês” ou “recessão”. Ele explica que a economia mundial tem partes boas e partes ruins e que há uma resposta em “loop” dos mercados. “O tumulto financeiro pode mudar a provisão de crédito, ou o comportamento de poupança dos consumidores”.

“Vale reiterar que o quanto mais extremo são as posições do mercado (especialmente se esse extremismo está ligado à economia real) mais extremas possivelmente serão as respostas políticas. Os mercados precisam lembrar que eles existem no sofrimento dos políticos”, finaliza.