As empresas de construção que desabaram desde o boom de 2010

Nos últimos seis anos, o valor de mercado das companhias do setor encolheu 71,6%

São Paulo —Em 2010, a construção civil viveu um dos seus melhores momentos. Estimulado por programas como o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Minha Casa, Minha Vida (MCMV), o setor fechou o ano com um crescimento do PIB na casa dos 10%.

De lá para cá, a situação mudou — e muito. O aumento dos juros, a diminuição do crédito e o envolvimento de algumas construtoras em esquemas de corrupção fizeram com que as companhias entrassem em uma crise sem precedentes, com a redução das vendas e aumento do endividamento.

No período entre 2010 e 2016, as empresas de capital aberto do setor viram seu valor de mercado encolher 71,6%, segundo estudo da consultoria Economatica.

O pico de valor das empresas de construção aconteceu em outubro de 2010, quando as 16 companhias analisadas na pesquisa valiam juntas 57,1 bilhões de reais. No dia 13 de dezembro de 2016, as mesmas  valiam algo em torno de 16 bilhões de reais.

Ainda de acordo com o estudo, o pior momento vivido pelas companhias, de 2010 até agora, foi no início deste ano. Em 18 de janeiro, as empresas da amostra alcançaram 12,3 bilhões de reais em valor de mercado.

Menos valiosas

A PDG foi quem registrou a maior perda de valor nos últimos seis anos, de 99,45%. Em 2010, ela ostentava o título de mais valiosa do setor. Hoje, seu valor de mercado só é maior do que o da Rossi Residencial e da Viver.

A situação da PDG é tão delicada que investidores já especulam que um plano de recuperação judicial será apresentado nos próximos meses. No ano, a empresa acumula prejuízo de quase 2,9 bilhões de reais.

Na última semana, a empresa informou, por meio de fato relevante, que estuda formas para melhorar a situação financeira, mas que não tomou nenhuma decisão sobre o tal pedido de recuperação judicial.

Na lista, a única empresa a registrar ganhos nos últimos seis anos é a Eztec. Em 2010, a companhia valia 1,78 bilhões de reais. Na última semana, a cifra chegou a 2,49 milhões de reais.

Veja na tabela abaixo as companhias que mais perderam em termos percentuais e seu atual valor na Bolsa.

Empresa Variação do valor de mercado nos últimos seis anos Quanto vale atualmente
PDG -99,45% 67,3 milhões de reais
Viver -99,36% 5,8 milhões de reais
Rossi -99,02% 47,7 milhões de reais
Gafusa -0,8865 716,8 milhões de reais
Cr2 -76,85% 67,8 milhões de reais
Rodobens -73,18% 221,4 milhões de reais
Helbor -71,02% 382,9 milhões de reais
Cyrela -66,25% 3,69 bilhões de reais
Trisul -66,16% 210,3 milhões de reais
Even -65,04% 813 milhões de reais
Direcional -62,93% 652,5 milhões de reais
Tecnisa -60,10% 604,4milhões de reais
JHSF -47,44% 734,8 milhões de reais
João Fortes -47,14% 666 milhões de reais
MRV -45,02% 4,85 bilhões de reais
Eztec 39,78% 2,49 bilhões de reais