Ações da Hyundai caem com preocupações sobre produção na China

Preocupações ocorrem mesmo com a empresa sul-coreana conseguindo reiniciar as operações de uma fábrica de automóveis chinesa

Seul / Xangai – As ações da Hyundai Motor e de seus fornecedores caíram nesta sexta-feira devido a novas preocupações sobre a posição da montadora na China após comentários críticos do jornal estatal, mesmo com a empresa sul-coreana conseguindo reiniciar as operações de uma fábrica de automóveis chinesa.

A Hyundai está em desacordo com a parceira Baic Motor sobre a estratégia de fornecedores, disseram fontes.

O desacordo parece ser a causa do não pagamento em dia de alguns fornecedores de peças, que tem levado à paralisação de fábricas.

Fontes disseram à Reuters que a Baic quer mudar para fornecedores chineses mais baratos para cortar custos em meio à intensificação da concorrência no maior mercado de automóveis do mundo, enquanto a Hyundai quer proteger sua atual cadeia de fornecimento.

O problema tornou-se uma grande dor de cabeça para a Hyundai, que também está lutando com uma concorrência feroz e uma linha de produtos menos do que estelar – uma série de dificuldades que levaram a agência de classificação S&P a reduzir suas perspectivas para a montadora e a afiliada Kia Motors Corp nesta sexta-feira.

Os problemas da Hyundai na China foram colocados no centro das atenções novamente em um artigo da edição em inglês do Global Times na quinta-feira, que citou fontes não identificadas, alegando que a Baic pode acabar com a sua parceria por causa da disputa relativa a fornecedores.

O jornal estatal seguiu criticando Seul na sexta-feira pela decisão de implantar o sistema de defesa antimísseis Thaad dos Estados Unidos – um impasse diplomático que está prejudicando a Hyundai e outras empresas sul-coreanas altamente dependentes do mercado chinês.

As ações dos fornecedores da Hyundai registraram algumas das piores quedas para as empresas sul-coreanas, já que os investidores temiam que uma mudança para os fornecedores chineses estivesse em andamento.

A fabricante de módulos Hyundai Mobis caiu 4,7 por cento e a fabricante de peças de motores Hyundai Wia recuou 7,1 por cento.

A Baic recusou-se a comentar e disse que não tinha conhecimento dos artigos do Global Times.

A Hyundai disse em um comunicado que o relacionamento cooperativo com sua parceira continuaria e “as duas empresas planejam manter vários diálogos para fortalecer a competitividade no mercado chinês”.

As ações da montadora encerraram o dia em baixa de 1,8 por cento e recuaram 6 por cento desde que surgiram notícias de problemas com pagamentos na China.