Renner lança programa para capacitar refugiadas no Brasil

Além das aulas de costura, elas receberão orientações sobre informática, empreendedorismo, saúde e segurança no trabalho no curso com duração de dois meses

A partir desta terça-feira, 12 de julho, mulheres vindas de Angola, Congo, África do Sul e Nigéria participarão da primeira turma da Escola de Costura para Refugiadas do Instituto Lojas Renner, que será realizada pelo Centro São José, em São Paulo.

Além das aulas de costura, elas receberão orientações sobre informática, empreendedorismo, saúde e segurança no trabalho no curso com duração de dois meses.

A iniciativa é parte do projeto Empoderando Refugiadas, realizado em parceria com a Rede Brasil Pacto Global, o ACNUR, a ONU Mulheres e o PARR – Programa de Apoio a Recolocação de Refugiados.

De acordo com o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), o país possui atualmente 8.863 refugiados reconhecidos, de 79 nacionalidades distintas (28,2% deles são mulheres).

“Nosso objetivo é acolher estas mulheres e criar condições para que possam se desenvolver” comenta Vinicios Meneguzzi Malfatti, diretor executivo do Instituto Lojas Renner.

A primeira turma também contará com dois homens refugiados que tem interesse em aprender o ofício da costura industrial. “O projeto é voltado para mulheres, mas nosso propósito é dar oportunidade para as pessoas que precisam retomar suas vidas, independentemente de sua origem, gênero, credo ou raça. Todos são bem-vindos“, finaliza Malfatti. O projeto do Instituto pretende atender três turmas até o fim do ano.