Propaganda ao extremo: marcas passam da embalagem à comida

Restaurantes dos EUA estão levando a marca — que antigamente aparecia em tudo — para o verdadeiro centro do prato

Nova York – Talvez seja uma reação ao mundo extremamente artesanal em que vivemos. Ou talvez seja uma extensão dele, o próximo passo da personalização de produtos.

Restaurantes dos EUA estão levando a marca — que antigamente aparecia em tudo, das caixinhas de fósforo às garrafas em miniatura do molho de pimenta da casa — para o verdadeiro centro do prato.

Talvez você já tenha visto um pão de hambúrguer personalizado em redes pequenas, como Umami Burger ou Burgerfi, mas agora é cada vez mais comum ver o nome de um restaurante em um drinque, um prato de massa ou até mesmo em um filé de atum.

No Dante, um bar revitalizado em Nova York, o coproprietário Naren Young professa o poder de colocar sua marca em cubos de gelos e bebidas.

Um carimbo especial marca o gelo dos drinques old fashioned e um estêncil inscreve “Dante” com um spray de bitter Angostura sobre cada whiskey sour.

“Nós vivemos no mundo do Instagram, e a concorrência entre os bares nunca esteve tão acirrada”, observa ele. “Cada lugar precisa de um modo de cativar as pessoas e dar o que falar. Afinal de contas, é propaganda gratuita.”

O old fashioned e o whiskey sour são, de longe, seus drinques mais vendidos, disse Young.

Muitos estabelecimentos estão aderindo à essa lógica. A seguir, alguns dos lugares onde você não vai esquecer onde está comendo ou bebendo.

Massa personalizada

Em 2015, Fabio e Maria Trabocchi, o badalado casal culinário de Washington, foram a um casamento em Alba, na Itália. Lá, eles descobriram uma versão estampada do corzetti, uma massa do tamanho de uma moeda.

Agora, em seu estabelecimento dedicado às massas, aberto há seis meses, há um prato de corzetti estampado com o nome do restaurante e condimentado com ragu de porco branco.

De acordo com Trabocchi: “Até mesmo na Itália é difícil encontrar um artesão que produza o carimbo tradicional de corzetti.”

No entanto, depois de pesquisar mais, eles encontraram Fillippo Romagnoli em Chianti, que criou um carimbo personalizado que você pode ver no perfil do Sfoglina no Facebook.

Atum carimbado

No Dream Hotel de Nova York, o Megu reabriu as portas e oferece atum empanado e fatiado. A fatia de cima vem com o nome e o logotipo do restaurante marcado a fogo no centro do pedaço de peixe.

O efeito é atraente: parece uma joia excêntrica (condizente com o bairro Meatpacking District).

O proprietário Jon Bakhshi disse que a marca com o nome torna a refeição mais memorável. “A experiência do Megu sempre foi famosa por sua extravagância, então precisávamos de algo chamativo e tivemos a ideia de colocar a marca na comida.”

Bakhsi continuou: “Experimentamos com diversos pratos, mas funcionou melhor com o atum e com o filé, e a marca cria uma carbonização adicional que dá textura. Não misturamos peixe com carne, então temos dois ferros de marcar para que o sabor de uma coisa não passe para a outra.”

Coquetel com nome próprio

No Dante, em Greenwich Village, que ficou no 34º lugar da lista dos 50 Melhores Bares do Mundo, há diversas formas de colocar a marca nos drinques.

Alguns anos atrás, Naren Young começou a marcar o gelo usado em seu tão elogiado old fashioned.

Depois, ele decidiu fazer um estêncil com o nome do bar para o whiskey sour. “Cada vez mais lugares estão fazendo isso”, disse Young.

“Muitos bartenders fazem de conta que já viram de tudo. Mas não criamos esses momentos para outros bartenders. Fazemos isso para 99 por cento de nossos clientes, que nunca viram detalhes como esses — detalhes que criam um momento de surpresa e fascinação.”