São Paulo - Laxmi Saa, uma indiana vítima de ataque com ácido, é o novo rosto de uma campanha de moda, da grife Viva N Diva.

Laxmi teve o rosto e outras partes do corpo marcados pelo brutal ataque aos 15 anos. Um homem de 32 anos a atacou depois de ela recusar sua proposta de casamento.

Agora, posa como modelo para alertar para o problema desse crime na Índia e também para debater o conceito de beleza no mundo da moda.

Laxmi contou que, ao aceitar o convite da marca, quis dar um exemplo de confiança e coragem para as mulheres que sofreram ataques semelhantes.

"Também foi uma plataforma para enviar uma mensagem clara para criminosos, de que as mulheres não vão perder a coragem mesmo depois de ser atacadas com ácido para destruir sua beleza física", disse à BBC.

"Para os meus olhos, que estão acostumados a ver modelos de pele perfeita em frente a uma câmera todos os dias, esta visão (de Laxmi Saa) foi perturbadora e inspiradora", disse à BBC Rupesh Jhawar, fundador da marca.

Na Índia, os ataques com ácidos são comuns. Quase sempre, as vítimas são mulheres. E os criminosos são seus companheiros ou ex-companheiros.

Segundo a Acid Survivors Trust International, são mil ataques por ano na Índia. Mas muitos casos não são contabilizados.

Parte do problema é o acesso fácil e barato à substância nos comércios. Na Índia, por 100 rúpias (cerca de seis reais), uma pessoa pode adquirir um litro de ácido poderoso.

Apesar de, em 2012, o governo indiano ter endurecido a pena para crimes desse tipo (agora o agressor pode passar dez anos na cadeia ou até ser condenado à morte), os crimes aumentaram no país.

Os casos cresceram assustadores 250% em dois anos.

Contra o ácido

Em 2015, a organização Make Love Not Scars criou uma campanha para proibir a venda de ácido na Índia.

No vídeo, Reshma, vítima de um ataque, fazia um "tutorial de maquiagem" para alertar para o grave problema.

Tópicos: Beleza, Marcas, Setores, Moda, Mulheres, Ásia, Índia