São Paulo - Em 1971, Bill Backer, o diretor criativo da McCann-Erickson de Nova York responsável pela conta da Coca-Cola, teve seu voo para Londres adiado em função de um pouso forçado em Shannon, na Irlanda, por causa de um nevoeiro.

Os passageiros tiveram de permanecer perto do aeroporto e alguns deles ficaram furiosos com as acomodações.

Na manhã seguinte, no café do local, Backer notou que os passageiros da noite anterior pareciam felizes enquanto tomavam uma Coca-Cola. “Comecei a entender que a Coca-Cola era mais que uma bebida”, relata no livro The Care and Feeding of Ideas (“O Cuidado e a Alimentação das Ideias”, sem versão em português).

Ele não sabia, mas o insight que teve naquele momento seria responsável por um dos comerciais mais marcantes da marca.

A peça ficou conhecida como “Hilltop”. No vídeo, um grupo de pessoas de diferentes etnias canta o desejo de comprar uma Coca-Cola e simplesmente dividi-la com o mundo.

À época, o sucesso foi instantâneo. Uma nova versão da canção foi criada, sem referência à marca, e alcançou o topo das paradas da Bilboard. Nascia uma lenda do mundo criativo.

Tópicos: Bebidas, Coca-Cola, Empresas, Bebidas e fumo, Refrigerantes, Empresas americanas, Comerciais, Estratégias de marketing, Marketing