São Paulo - O Google não é apenas uma máquina de faturar alto com anúncios e termos patrocinados (AdWords).

Entre milhões e milhões de propagandas que aparecem para você, muitas outras são bloqueadas. 

Só em 2015, o site bloqueou 780 milhões de anúncios considerados "maus", impedindo que eles atingissem os usuários.

As informações são do jornal britânico The Guardian.

Esse número é quase 50% maior que os bloqueios de 2014. De acordo com a empresa, há um esforço maior em bloquear os "comportamentos ruins" na rede.

E o que seriam essas "propagandas do mal"?

São os anúncios que carregam malwares e bots (robôs que emulam uma pessoa real na internet) e aqueles fraudulentos: esquemas mentirosos que prometem perda de peso, ganhos em dinheiro, entre outros.

Sridhar Ramaswamy, vice-presidente sênior da área de anúncios do Google, disse ao Guardian que, em 2016, os esforços serão ainda maiores para conter essas propagandas danosas.

Como funciona

O Google consegue bloquear anúncios ruins antes mesmo deles aparecerem para alguém, graças a uma combinação de algorítimos e a análise da própria equipe da empresa na área.

A empresa tem mais de mil empregados focados em lutar contra os maus anúncios: seja de modo "manual", seja melhorando a área de tecnologia.

Os focos são os produtos falsificados, os remédios que prometem emagrecimento e remédios não-aprovados.

Os esforços da empresa, claro, também visam impedir que as pessoas encontrem "boas justificativas" para baixar os programas "ad blocks" - que fazem desaparecer qualquer propaganda, boa ou má.

Números

Alguns números sobre o trabalho da empresa nessa área, em 2015, são bem reveladores:

- Por conta de violação das políticas de uso, o site bloqueou anúncios em mais de 25 mil apps;

- 1,4 milhão de requerimentos para anunciar em apps e sites foram rejeitados pela empresa - os pedidos nãos seguiam as diretrizes básicas;

- 17 milhões de anúncios foram rejeitados por "enganarem as pessoas": aqueles que confundem e fazem você clicar nele sem querer;

- Mais de 10 mil sites e 18 mil contas foram suspensas por tentarem vender produtos falsificados;

- 12,5 milhões de anúncios foram bloqueados por quebrar uma das regras do Google: não promover planos de saúde, remédios e produtos médicos;

- 30 mil sites foram banidos por fazerem propaganda de remédios para emagrecer;

- 7 mil sites foram bloqueados por roubarem dados dos usuários por meio da técnica de "phishing".

- Mais de 10 mil sites oferecendo softwares não solicitados pelo usuário foram bloqueados.

Tópicos: Anúncios, Fraudes, Google, Empresas, Tecnologia da informação, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, Internet