São Paulo - Mesbla, Mappin, Arapuã, Bamerindus, Unibanco, Lollo, Varig, Yopa e Prosdócimo. Se você tem 30 anos ou mais, certamente já ouviu falar na maioria das marcas citadas. Surpreende saber que algumas delas já foram extintas há mais de duas décadas. Trata-se de uma prova cabal sobre a importância do trabalho de branding e comunicação para o share of mind (nível de lembrança) da marca junto ao público.

Com o conceito “grandes marcas nunca morrem”, a agência goiana Bees Publicidade criou uma campanha para promover o Pop List, premiação promovida pelo jornal O Popular, que através de um estudo de mercado, afere o grau de fixação na mente do consumidor das marcas de produtos e empresas do cotidiano econômico de Goiânia. Nas peças, Jimi Hendrix assume o papel de Coca-Cola, Michael Jackson encarna a marca Omo e Elvis representa a extinta marca de creme dental Kolynos.

A última, inclusive, é um grande exemplo de fixação de marca. Impossível não lembrar de sua clássica embalagem amarela e da propaganda na televisão, dos merchandisings em programas como Domingão do Faustão.

A força da marca era tão grande junto ao público brasileiro, que mesmo sendo descontinuada em 1997, apenas seis anos depois, em 2003, ela começou a deixar de figurar nas principais listas de Top of Mind no País.

Tópicos: Criatividade, Estratégias de marketing, Marketing, Marcas