A Adidas é a segunda maior empresa de artigos esportivos do mundo. Mas agiu com grandeza de quem está anos à frente.

A partir de agora, os atletas patrocinados pela marca têm garantias contratuais de que eles podem tornar - se assim quiserem - a sexualidade pública. Sejam eles gays, bissexuais ou transexuais. As informações são do BuzzFeed News.

Diz a nova cláusula: "A Adidas reconhece e adere aos princípios da diversidade sendo esta uma parte central da filosofia do grupo. Assim, a Adidas garante que este acordo não será nem terminado nem modificado caso o atleta venha a público como um membro da comunidade LGBT".

A falta de garantias de apoios financeiros e de patrocínios pode ser considerada como primordial para o fato do número de atletas que saem do armário ser tão baixo. A Adidas inicia então uma nova etapa, com maior segurança para seus atletas.

Em diversos países, o rompimento de contratos por orientação sexual é permitido. Nesses casos, a Adidas conseguirá ser um importante intermediário. Nicola Adams (boxe), Keegan Hirst (rugby) e Casey Stoney (futebol).

Tópicos: Adidas, Empresas, Empresas alemãs, Esportes, LGBT, Marketing