Emicida surpreende investidores de novos talentos

Ação da Natura preparou show com 'RL', nome fictício do rapper

São Paulo – Você investiria em um músico iniciante e desconhecido? Bancaria a gravação do primeiro disco dele? Esses foram os questionamentos envolvidos na experiência criada pela ID para o Natura Musical, programa que atualmente ocupa papel importante na renovação da música brasileira, com o lançamento de álbuns e turnês de artistas em diferentes estágios da carreira.

Completando dez anos e incorporando, pela primeira vez, o voto popular à seleção de novas apostas musicais, o Natura Musical aceitou o desafio proposto pela ID: o público faria o mesmo por um músico que está começando?

O convite para investir no novo talento foi feito no Queremos!, plataforma que realiza campanhas de financiamento coletivo.

Na página do artista no site, além de informações pessoais e influências musicais, as pessoas poderiam contribuir com o primeiro álbum do desconhecido doando o valor de R$ 30; em troca, assistiriam à gravação em estúdio.

A meta do projeto foi alcançada e, no estúdio, todos que colaboraram aguardavam a chegada de ‘RL’. O que ninguém sabia era que o ‘RL’ era, na verdade, o Emicida:

De acordo com Domênico Massareto, CCO da ID, Emicida – considerado uma das maiores revelações do hip hop do Brasil – tinha o perfil ideal para a ação: um artista que fala diretamente com o público jovem, com grande potencial de mobilização e engajamento de público e que vem de um mercado independente.

“Foi uma experiência criada a quatro mãos, com participação ativa do Emicida. Usar o nome ‘RL’ foi uma sugestão do próprio, que são as iniciais do seu nome verdadeiro, Leandro Roque, trocadas”, destaca Domênico.

Todos os participantes, além do pocket show exclusivo, ganharam um kit de produtos da linha Ekos, da Natura, e brindes do Laboratório Fantasma, selo do Emicida.

“Foi muito gratificante ver que a nossa ideia conseguiu reproduzir o trabalho do Natura Musical, que, entre muitas iniciativas, investe em novos talentos da música brasileira”, completa Domênico.