Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,66 0,08%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,60% 62.662 pts
Pontos 62.662
Variação 1,60%
Maior Alta 9,53% JBSS3
Maior Baixa -1,42% EMBR3
Última atualização 23/05/2017 - 17:20 FONTE

Vinho orgânico ou biodinâmico – veja as diferenças entre eles

Amantes de vinho têm buscado cada vez mais bebidas produzidas a partir de técnicas que respeitam o meio ambiente

São Paulo – Cada vez mais apreciados, os vinhos orgânicos e biodinâmicos têm ganhado o paladar dos apaixonados por vinhos em todo mundo. E, não à toa, vinícolas têm investido cada vez mais na produção desses tipos de bebidas – produzidas a partir de técnicas que respeitam o meio ambiente.

Mas o que diferencia um tipo de vinho do outro? EXAME.com conversou com o sommelier Andre Zangerolamo, da World Wine, para entender o processo de produção de cada um e algumas características comuns entre eles.  Veja a seguir:

O que é vinho orgânico?

De acordo com Zangerolamo, a viticultura orgânica é um sistema de plantio que se baseia não só na videira, mas também na interação com a fauna e a flora do ambiente em que a videira cresce. Esse cultivo não utiliza defensivos químicos, e utiliza a própria natureza e sua biodiversidade no controle de pragas.

“Basicamente não se usa nesse tipo de cultivo defensivos químicos, como inseticidas e fungicidas. Em substituição a eles, se necessário, os produtores orgânicos utilizam a biodiversidade, o que garante o equilíbrio do vinhedo”, afirma o sommelier.

Resumindo, o processo de produção (vinificação) de um vinho orgânico é idêntico ao de um vinho comum, o que os diferencia um do outro é a pureza da matéria prima.

O que é vinho biodinâmico?

Todo vinho biodinâmico é orgânico, mas nem todo orgânico é biodinâmico. Isso porque a biodinâmica parte do cultivo orgânico dos vinhedos, mas vai além disso. De acordo com o especialista, a viticultura biodinâmica trabalha a cultura orgânica somada ao cosmo e a astrologia.

Pode parecer inusitado, mas Zangerolamo explica:  “nesse tipo de cultivo a proposta é o retorno às técnicas ancestrais de agricultura. O cultivo da videira leva em conta as fases da lua, as estações do ano e os ritmos da natureza para determinar os momentos mais adequados para o plantio, poda e colheita”.

Ainda segundo o especialista, os produtores biodinâmicos utilizam uma espécie de homeopatia nos vinhedos, o que equilibra as plantações e gera uvas de melhor qualidade.

Do plantio à taça

Embora tenham técnicas diferentes de plantio, existem algumas semelhanças entre essas duas modalidades de vinho. É possível, por exemplo, produzir vinhos orgânicos e biodinâmicos com todos os tipos de uvas. O que não é sempre possível é produzi-los em qualquer ambiente. Locais com alto nível de pluviosidade podem dificultar esses tipos de cultivos por ocasionarem um número maior de aparições fúngicas.

Já o tempo de guarda desses vinhos é muito parecido com o do vinho comum. Segundo Zangerolamo, em alguns casos, por contar com uvas mais sadias, os vinhos orgânicos e biodinâmicos podem ser guardados por um período diversas vezes maior, inclusive.

Para reconhecer se um vinho é orgânico ou biodinâmico, o sommelier aconselha ficar de olho em algumas certificações. No Brasil, a certificação mais famosa é a Orgânico Brasil, que diversas vinícolas já possuem. Já internacionalmente, as mais famosas são IMO, para os vinhos orgânicos, e Demeter, para os  biodinâmicos.

“Existem, no entanto, produtores pequenos que fazem seus vinhos seguindo esses métodos de cultivo e são capazes de produzir vinhos espetaculares mesmo sem ter nenhuma certificação. Mas acredito que o mais importante é tentar buscar referências de cada produtor”, afirma o especialista.