Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Por que cortar o leite por modismo pode ser um mau negócio

O leite e não é a única fonte de cálcio, mas cortá-lo por modismos traz malefícios à saúde

São Paulo – A Sociedade Nacional de Osteoporose, na Inglaterra, lançou recentemente um relatório que aborda eventuais perigos da redução ou eliminação do leite e laticínios em geral na alimentação. Entre outras coisas, a entidade destaca que esse hábito está se tornando comum: em um pesquisa com 2 mil pessoas, um quinto dos jovens abaixo dos 25 anos removeram esses produtos do dia a dia.

“A dieta no começo da vida adulta é importante para os ossos. Quando chegamos perto dos 30 anos, é tarde para reverter os danos causados pela alimentação deficiente em nutrientes”, explica Susan Lanham-New, da associação britânica. “Nessa época, a oportunidade de construir ossos fortes já passou”, completa.

Os resultados do novo estudo dialogam com outro, também realizado em terras inglesas — mas pela Agência de Normas Alimentares, um órgão governamental. De acordo com a investigação, quase metade dos indivíduos entre 16 e 24 anos que foram questionados afirmaram possuir algum tipo de intolerância aos laticínios. Apesar disso, apenas 24% tinham um diagnóstico médico que assegurava  a presença dessa condição.

Segundo os membros da sociedade inglesa, o problema não é a falta de leite ou queijo, e sim a de um nutriente essencial para a saúde dos ossos: o cálcio. Um levantamento de 2012 encomendado pela Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso) revelou que nove de dez mulheres brasileiras não ingeriam quantidades ideais do mineral. Ou seja, de 1 000 miligramas por dia antes da menopausa e de 1 300 depois dela.

É essencial que aqueles que não consomem laticínios procurem alternativas para assegurar a dose adequada de cálcio. Boas opções são brócolis, couve, rúcula, sementes, castanhas e leites vegetais fortificados.

Esta matéria foi originalmente publicada no site Saúde é Vital.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Sou intolerante a lactose desde criança, ia para a escola em jejum, porque não gostava de chá. Hoje existem opções mais acessíveis, mas eu evito de justificar a não ingestão, porque acham que é modismo, frescura…

  2. Anderson Giovanelli

    Matéria mal feita e não condiz com o alimento industrializado vendido nos supermercados. Esses leites industrializados fazem sim mal a saúde, é rico em hormônios que são aplicados nas vacas simplesmente para produzir mais leite e de forma ininterrupta. Esses hormônios estarão no nosso leite, juntamente com quilos de agrotóxicos, pesticidas, toxinas e antibióticos presentes na alimentação das vacas, isso tudo porde causar efeito no nosso metabolismo. Além disso, pode causar câncer de próstata, de ovário, das mamas, infartos e AVC além de anemia, diabetes e osteoporose. Fora outros tantos processos industriais que eliminam quase por completo os poucos benefícios que o leite de vaca tem.
    Tenho pena das mães que alimentam seus filhos com esse leite pobre em nutrientes.

    Para a revista, virou moda procurar alimentos saudáveis?