Os principais cuidados com a saúde dos homens

Pesquisa apontou que 60% dos homens só vão ao médico já com a doença avançada e quando necessitam de intervenção cirúrgica para tratá-las

São Paulo – Pesquisa do Centro de Referência da Saúde do Homem, de São Paulo, apontou que 60% dos homens só vão ao médico já com a doença avançada e quando necessitam de intervenção cirúrgica para tratá-las.

No Hospital San Paolo – centro hospitalar de média complexidade localizado na zona norte de São Paulo, não é diferente. Segundo a médica Juliane Gomes de Paula, clínica geral e infectologista, dos atendimentos realizados no pronto socorro apenas 35% dos pacientes são homens. “E normalmente eles são trazidos pelas esposas, filhas, mães ou em último caso pelo resgate.”

A médica ressalta que esse comportamento acontece por dois motivos, medo e fator cultural e que é de extrema importância que os homens mudem essa atitude, começando a ir ao médico, passando por consultas e exames. Entre os especialistas indicados estão clínico geral, cardiologista, urologista, oftalmologista, otorrinolaringologista, ortopedista e dermatologista.

“Os homens devem começar a ir ao médico e a fazer os exames periódicos anualmente após os 18 anos. Até os 40 é importante fazer check up clínico e cardiológico anual, e após os 40, check up geral com os especialistas citados a cima”, explica a especialista.

O levantamento mostrou que a maioria dos pacientes desconhece suas condições de saúde e ignoraram sintomas iniciais das doenças mais comuns, adiando a busca por ajuda especializada.

As doenças mais comuns entre os homens acima de 40 anos são as cardiovasculares e o câncer. Boa parte delas é difícil de identificar os sintomas. “Muitas são assintomáticos ou os sintomas são leves. Por isso é muito importante fazer a prevenção e os exames periódicos”, esclarece a médica.

Além de estar em dia com os exames e as visitas ao médico, os homens devem e podem cuidar da sua saúde com uma alimentação saudável, evitando o sobrepeso e a obesidade, e mantendo uma atividade física regular que dure no mínimo trinta minutos, cinco vezes por semana. Não fumar, não usar drogas e nem consumir bebida alcoólicas também são recomendações do especialista para quem quer garantir mais qualidade de vida e longevidade.