O chá ‘mais caro do mundo’ é cultivado nos dejetos do panda

Um empresário chinês está usando as fezes dos animais para produzir a bebida; valor do primeiro lote deve ser de 27 mil euros por 500 gramas

Chengdu, China – O empresário chinês An Yanshi está convencido de ter encontrado o melhor ingrediente para produzir um dos mais exclusivos chás do mundo: as fezes de panda.

Este ex-professor de caligrafia comprou 11 toneladas de excrementos num centro de criação de pandas, a fim de fertilizar seu cultivo de chá nas montanhas da província de Sichuan (sudoeste da China), lá onde vivem os plácidos mamíferos pretos e brancos.

An afirma que sua primeira colheita de folhas de chá será na primavera de 2012, prevendo que será o “chá mais caro do mundo”. Conta que vai vender o primeiro lote de 500 gramas pela soma astronômica de 219.865 iuanes (cerca de 27.000 euros). Os lotes seguintes vão custar até 20.000 iuanes a unidade.

Para ilustrar até que ponto é apaixonado por seu projeto, este homem de 41 anos vestiu-se com uma fantasia de panda antes da entrevista para a AFP.

Ele não teme ser ridicularizado por alguns na China, que ironizam suas afirmações extravagantes sobre os benefícios potenciais de seu chá para a saúde. Ao contrário, ele afirma que é muito sério, explicando que deixou seu emprego na Universidade de Sichuan para se dedicar, de “corpo e alma” à empresa, Chá Panda.

O logotipo mostra um urso sorridente usando gravata borboleta e levantando um copo fumegante de chá verde.

“O excremento do panda é rico em elementos nutritivos… sendo claramente superior aos adubos químicos”, diz ele, degustando uma xícara de chá.

Além de administrar sua plantação de 1,13 hectare, ele acredita ter uma missão: convencer o mundo de que é preciso substituir os adubos químicos por estrume dos animais, antes que seja muito tarde.


“As pessoas devem desenvolver uma relação harmoniosa com o céu, a terra e o meio ambiente”, prega ele, referindo-se a previsões de fim do mundo, em 2012.

“Todos têm a obrigação de proteger o meio ambiente”, insiste, exibindo dezenas de pinturas tradicionais em rolos chineses, onde desenhou pandas alegres, muitos bambus, acompanhados de dizeres na caligrafia chinesa.

Este grande amador de chá teve a ideia de usar fezes de panda como adubo após assistir, em julho, a um seminário no qual descobriu que esses mamíferos absorviam menos de 30% dos bambus que consomem, rejeitando pelas vias naturais os 70% restantes.

Mostrou à AFP um frasco de vidro cheio de excrementos frescos de panda que emprega para fertilizar as plantações de chá, elogiando a “qualidade” e a cor “verde” do produto.

Está tão convencido de que seu chá Panda será um sucesso que patenteou a ideia, a fim de impedir um eventual concorrente de roubá-la – um fenômeno comum num país onde as leis protegendo os direitos de propriedade intelectual são frequentemente ignoradas.

Acha que seu chá verde ajudará as pessoas a perder peso, protegendo-as. Vem recebendo várias críticas pela internet, dos que zombam do preço elevado da primeira colheita.

“Se é um adubo tão bom para as plantações de chá, pergunto ao professor: por que não comer simplesmente o excremento de panda?”, indaga um internauta chamado Baihuashu.

Um outro, que assina 24-0, fingiu espantar-se: “mais de 200.000 iuanes por libra de chá Panda fertilizado com esses estrumes – o que seria melhor? Beber o chá ou o sangue dos pandas?”