São Paulo - Até a semana passada, Christiane Kubrick, viúva do diretor Stanley Kubrick, nunca havia visitado uma cidade da América do Sul. "Mas em apenas dois dias eu já estou vendo tanta coisa nova e interessante. Acabei de voltar do Mercado Municipal. E adorei ver como as árvores brotam com força do chão, como se a selva quisesse a vencer o concreto", comentou em conversa com a reportagem. "É cinematográfica a natureza aqui. Majestosa."

Para a alemã, que foi atriz (conheceu Kubrick no set de Glória Feita de Sangue, em 1957), majestoso também foi o almoço no Mercadão. "Foi sanduíche de mortadela. Sinto como se nunca mais fosse sentir fome", brincou ela, que veio à cidade para a inauguração da exposição Stanley Kubrick, que foi aberta na última quinta, 10, e permanece em cartaz até janeiro de 2014 no Museu da Imagem e do Som (MIS).

Esta mostra, com mais de 500 itens, foi inicialmente realizada pelo Deutsches Filmmuseum de Frankfurt, com curadoria de Hans-Peter Reichmann, e colaboração de Christiane.

Além da viúva do cineasta, o produtor e irmão de Christiane, Jan Harlan e Reichmann também estiveram na recepção para convidados, que reuniu ainda o diretor do MIS e idealizador da versão brasileira da mostra, André Sturm, a diretora da Mostra de Cinema de São Paulo, Renata de Almeida, e personalidades.

Desde sua estreia, em 2004, a exposição já passou por cidades como Berlin, Melbourne, Zurique, Roma, Paris e Los Angeles, sua última parada antes de São Paulo. Em cada cidade, ainda que a concepção original fosse mantida, uma leitura diferente dava conta de diversos aspectos da obra do cineasta.

Em Los Angeles, a curadoria agrupou os objetos de acordo com os anos de realização dos filmes e temas (sexo, violência, amor, ciência) e destacou o diálogo entre seus filmes (e seus símbolos) e as artes visuais.

Já em São Paulo, é a sensação que cada um dos grandes filmes de Kubrick provoca que ganha o primeiro plano. Ao percorrer os ambientes, sente-se a atmosfera de cada uma das tramas. "Ele era um diretor que retratava seus personagens em situações extremas. Queremos fazer com que o visitante sinta isso", explicou Sturm. "Esta não é uma atração só para os mega cinéfilos, mas sim para um público que quer entender melhor sua obra e o próprio cinema", completou o diretor do MIS, que contou com a parceira da Mostra para conceber a exibição e também outra grande atração: a retrospectiva completa da obra kubrickiana restaurada. Até quinta, o MIS vai exibir clássicos como Nascido para Matar, Barry Lyndon, Spartacus, Laranja Mecânica, Lolita.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tópicos: Arte, Artes visuais, Cinema, Setores, Entretenimento, Exposições