Paris - Os vovôs do rock se recusam a envelhecer: depois de Bob Dylan e David Bowie, Paul McCartney lança oficialmente na próxima terça-feira - o álbum já vazou na internet - o primeiro disco de inéditas em seis anos, "New", no qual mistura estilos e épocas.

Ano passado, o ex-Beatle lançou "Kisses on the bottom", um disco "jazzy" em que recriava canções dos anos 20, 30 e 40.

Depois do álbum voltado para o passado, McCartney havia prometido que a produção seguinte olharia par o futuro. E "New", seu primeiro disco com canções originais em seis anos, não decepciona.

Há vários anos, a internet transformou a forma como os jovens artistas fazem música, misturando sem distinção suas próprias criações, gêneros e estilos diferentes.

Com "New", que será apresentado oficialmente em Londres, Paul McCartney faz o mesmo, mas com estilos que ele mesmo ajudou a criar.

Entre as 12 canções "New" há acenos aos Beatles, Wings e à carreira solo, mas em versões atualizadas e trabalhadas por quatro produtores.

"A ideia inicial era colaborar com produtores de quem aprecio o trabalho, para ver com qual me sairia melhor. Mas acabou que me dei bem com todos", revelou "Macca" à imprensa.

"Fizemos algo realmente diferente com cada produtor. Não tinha alternativa e terminei trabalhando com os quatro. Passamos bons momentos de maneiras diferentes", contou.

McCartney escolheu produtores de estilos radicalmente opostos.

Mark Ronson, o mais conhecido dos quatro, tem uma uma forte influência do soul e ganhou fama ao produzir "Back to black" de Amy Whinehouse.

Paul Epworth, um dos favoritos da cena pop inglesa, é o homem por trás dos trabalhos de Bloc Party, Florence and The Machine e do álbum "21" de Adele.

Mais voltado para o rock e o folk, Ethan Johns trabalhou com Kings of Leon, Joe Cocker e Ray Lamontagne.

O último deles, Giles Martin, que produziu metade do álbum, é nada menos que o filho do lendário produtor dos Beatles George Martin.

Assim o disco acaba sendo ouvido como uma playlist aleatória: o ouvinte não sabe bem o que esperar no início de uma canção.

"Appreciate" (Giles Martin), um longo tema psicodélico, electro e experimental, é o destaque do álbum.

A frágil e despojada "Hosanna" (Ethan Johns), a sutil "Queenie Eye" (Paul Epworth), assim como "Alligator" e "New" (ambas produzidas por Mark Ronson), com forte influência dos Beatles, também chamam a atenção.

Mas algumas músicas soam menos convincentes, com estilos diferentes que às vezes soam superficiais.

Em alguns (poucos) momentos a voz de McCartney revela os 71 anos de Sir Paul.

"É engraçado que quando coloco o álbum para tocar, as pessoas fiquem surpresas. Muitas canções são variadas e não necessariamente lembram o estilo que alguém identificaria comigo", disse.

"Realmente gostei de fazer o álbum. É fantástico ter a sorte de estar no estúdio com novas canções e produtores tão 'cool'. Nos divertimos muito", completou.

E ao ouvir o álbum, o fã do ex-Beatle vai concordar com o ídolo.

Tópicos: Indústria da música, Arte, Música, Entretenimento, Paul McCartney, Rock