Aguarde...

Famosos | 12/04/2012 11:41

Marmita é sinônimo de comida caseira e saudável

Famosas vêm escancarando o hábito de levar a própria comida para onde quer que vão, conferindo ao marmitex status de objeto cool

Marcela Rodrigues Silva, do

Fernando Moraes/VEJA

A modelo e apresentadora Ana Hickmann

A antiga prática entre a classe trabalhadora vem sendo apontada como segredo de dieta pelas apresentadoras Ana Hickmann (foto) e Solange Frasão

São Paulo, 12 (AE) - Recentemente, a top brasileira e uma das angels da Victoria’s Secret, Adriana Lima, de 30 anos, foi flagrada ao levar uma marmita com frango e salada a um restaurante sofisticado de Miami, nos Estados Unidos. As críticas forraram as redes sociais e levantaram a discussão: afinal, marmita não é coisa de peão? Não mais. Assim como Adriana, outras famosas vêm escancarando o hábito de levar a própria comida para onde quer que vão e, por tabela - quem diria - conferindo ao "marmitex" status de objeto cool.

A cantora Claudia Leitte, de 31, já publicou três vezes, via Twitter, fotos dela devorando o almoço em potinhos diversos. A atriz Juliana Paes, de 33, e a apresentadora Ticiane Pinheiro, de 35, fizeram o mesmo. A antiga prática entre a classe trabalhadora também vem sendo apontada como segredo de dieta pela apresentadora Ana Hickmann, de 31, e pelas atrizes Giovanna Ewbank, de 25, Claudia Raia, de 45, e Christiane Torloni, de 55.

Adepta do hábito há mais de dez anos, a modelo e apresentadora do programa na web "Clic TV" Solange Frazão é a prova do que carregar a própria refeição pode fazer pela rotina de uma pessoa. "Se eu continuasse a comer em qualquer lugar, sem horário, meu corpo iria sofrer consequências", afirma Solange. O resultado? "É o que sou hoje", diz a dona de um corpo escultural e saúde perfeita, aos 48 anos.

Solange nunca teve vergonha da mania saudável e se o alarme, programado para lembrá-la de comer a cada três horas, toca, ela para tudo e saca da sacola térmica a marmita do almoço ou lanchinhos extras. "Pode ser no avião ou durante reuniões. Mas com elegância para não chocar, claro. Levo a marmita, sempre com divisórias e talheres descartáveis", ensina a bela.

Economia - As famosas dão um empurrãozinho para que o utensílio volte à moda como estratégia de boa forma, mas quem aderir vai ganhar também em economia. Segundo o Instituto Data Popular, os brasileiros gastam hoje mais que o dobro do que gastavam há nove anos para comer fora.

A relações públicas paulistana Patrícia Marques, de 23 anos, leva marmita para o trabalho há quase quatro anos. Ela trabalha no Itaim, região nobre da capital. "Aqui, almoçar custa mais de R$ 25." Agora, gasta menos e senti-se melhor. "Comecei pela saúde, já que passava mal por nunca saber a procedência dos alimentos que comia na rua." O nutricionista André Pellegrini, do Centro de Bem-Estar Levitas, confirma: "O custo chega a ser de 50% a 75% menor do que comer uma alimentação balanceada na rua (buffet)."

Um bom negócio - Há 1 ano e meio, a paulistana Fernanda Canto, de 37 anos, estava acima do peso. A indicação médica foi clara: uma dieta sem qualquer adição de gordura. Impossível para quem, longe de casa, almoçava em restaurantes que vendem comida por quilo. A solução foi preparar o almoço em casa e levá-lo, mesmo que de forma improvisada, em um potinho de plástico. Mas, como ela é cuidadosa com o sabor, a aparência e o aroma, a refeição fez sucesso.

"A minha chefe pediu uma igual, não tive como recusar. Então, fiz com todo capricho e as colegas de trabalho começaram a pedir também", conta Fernanda que, em seis meses, colocou a saúde em dia e conquistou uma clientela fiel ao abrir a empresa Danada da Nanda Comidinhas, que hoje faz entregas de marmitas tradicionais por toda a capital paulista, a R$ 12.

Comentários  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados