Aguarde...

Novidades | 12/04/2012 18:17

Depois da Europa, Michel Teló mira hispânicos e EUA

Sem medo de não repetir o sucesso de "Ai, se Eu te Pego", cantor investe em novas músicas para prolongar a boa fase da carreira no Brasil e no exterior

Carol Nogueira, de

Divulgação

Michel Teló

Michel Teló confessa que não sabe falar inglês. "Quando era pequeno, minha mãe me mandou estudar, eu devia ter ouvido", diz o artista

Projetado quando a coreografia de Ai, se Eu te Pego ganhou os gramados espanhóis com o português Cristiano Ronaldo, que fez a provocante dancinha na comemoração de um gol em outubro passado, o sertanejo Michel Teló virou hit mundial. E chega cada vez mais longe. Depois de fazer shows em onze países da Europa, ele prepara um disco em espanhol e negocia a sua estreia nos palcos americanos com produtores de turnês de nomes como Justin Timberlake. Não deve faltar público: na última semana, a música entrou na 95ª posição da lista Billboard Hot 100, que compila as faixas mais tocadas na terra de Obama.

Teló sabe aproveitar seu momento. É antenado. Natural de Medianeira, cidade pequena do interior do Paraná, o músico guarda poucas características do estereótipo do “caipira”. Às vezes, deixa escapar o sotaque arrastado. Diz que não tem mais tempo para pescar e que adora a estrada. Mas o visual moderninho e o cabelo arrepiado entregam que Teló é um tipo diferente de músico sertanejo. Adepto de gírias (“top” para bom e “Face” para Facebook), apaixonado por videogame (especialmente por jogos de futebol) e com gosto pela música pop (bandas como Coldplay e Maroon 5), ele se assemelha aos “baladeiros” que lotam seus shows.

Mas seus 31 anos de vida – e 19 de carreira – o afastam do deslumbramento. Pé no chão, o músico investe os milhões que gasta no mercado imobiliário: está construindo uma casa em São Paulo, onde já tem um apartamento. Tem ainda imóveis em Passo Fundo (RS), é sócio de uma construtora em Campo Grande e dono de uma editora de músicas. Ao site de Veja, o músico falou sobre seus planos futuros para não se tornar um artista de um hit só. Confira.

- Como foi a turnê na Europa?

Michel Teló: Voltamos no dia 15 de março, depois de 21 dias de shows e 11 países. Superou tudo o que a gente imaginava. Eu ficava com medo, achava que as pessoas só fossem cantar Ai, Se Eu te Pego. Mas chegamos lá e não foi assim. Em Portugal, onde a gente fez os maiores shows, para 10.000 pessoas em arena de touradas, todo mundo cantou quando puxei a primeira música, Ei, Psiu, Beijo me Liga, que foi meu primeiro sucesso. Foi uma loucura, aquela gritaria. Pensei, “Ihhhh, hoje o bicho pega, vai ser top”. Puxei Larga de Bobeira e de novo todo mundo cantava. Depois, Fugidinha. O povo cantava todas. Foi emocionante. Começamos com chave de ouro. Depois, fomos pra Londres e fizemos um show para um público praticamente só de brasileiros. Foi ótimo, até o começo do ano eu não conhecia a Europa. A gente foi no início de 2012 fazer divulgação só, e já voltou três vezes.

- Você fala inglês?

Teló: Não falo nada. Todo dia, eu tinha de atender a imprensa, e precisava de intérprete. Estou sofrendo com esse negócio de inglês, viu. Quando era pequeno, minha mãe me mandou estudar, eu devia ter ouvido. Eu só queria saber de música e mais nada. Hoje, faz falta. Estou contratando um professor particular. Eu já tinha contratado um de espanhol, porque minhas músicas estão fazendo sucesso nos países latinos, e o espanhol é mais fácil.

Comentários  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados