São Paulo - Quando se fala em boca seca, geralmente tem-se a impressão de uma condição que apenas incomoda, mas trata-se de um problema que, além de ‘roubar’ todo o paladar e o sabor dos alimentos, compromete a saúde oral.

De acordo com Rodrigo Bueno de Moraes, cirurgião-dentista que vai coordenar o simpósio sobre “Boca seca na clínica odontológica”, durante o 30° Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo, essa condição pode causar problemas graves, já que a saliva ajuda a prevenir cáries e outros problemas bucais ao limitar a proliferação de bactérias na boca e lubrificar o ambiente bucal.

“Além da boa escovação dos dentes e do uso de fio ou fita dental, a saliva contribui para a eliminação de algumas bactérias, bem como diminui a acidez da boca. Também ressalta o paladar e o poder das enzimas salivares de colaborar com a digestão. A boca seca – ou xerostomia – age na contramão, sendo que a pessoa pode apresentar mau hálito, lábios ressecados, dor de garganta, alteração no paladar, dificuldade na fala, dificuldade de engolir alimentos e, principalmente, aumento de cáries, infecções periodontais e inflamações gengivais – resultando na perda total dos dentes naturais caso não recorra a um tratamento adequado”, diz Bueno de Moraes.

Na opinião do especialista, boca seca é um fenômeno relacionado com várias situações. Merecem destaque as relacionadas com o desdobramento do uso de medicamentos ou com situações que comprometam a estabilidade da saúde (caso da respiração bucal, das doenças autoimunes e de alguns tratamentos médicos).

“Trata-se de um efeito colateral relacionado com mais de 700 drogas conhecidas, entre antidepressivos, anticolinérgicos, anti-hipertensivos, anti-histamínicos, anti-inflamatórios, ansiolíticos, diuréticos, analgésicos, relaxantes musculares e muitas outras. Mas, também, há fatores emocionais – como estresse – que podem desencadear xerostomia, bem como condições específicas que levam ao quadro de boca seca, como tratamento de câncer, síndrome de Sjögren, mal de Parkinson, mal de Alzheimer, Aids e até diabetes, por exemplo”.

Rodrigo Bueno de Moraes alerta para a importância de se procurar um cirurgião-dentista tão logo a pessoa sinta as primeiras alterações da mucosa oral, já que a boca seca pode evoluir para lesões, feridas bucais mais severas ou favorecer a perda dos dentes.

“Esse paciente tem de ser examinado frequentemente, porque tem um risco bastante aumentado de cáries ou de doenças das gengivas e precisa, portanto, de aplicações tópicas de flúor e manutenção de boca desinfetada para prevenir o agravamento desses quadros”.

Além do tratamento odontológico, o cirurgião-dentista aponta cinco ações para estimular a produção de saliva naturalmente:

1. Consumir alimentos que estimulam o fluxo de saliva e refrescam o hálito. São eles: rúcula, agrião, aspargos, jiló, salsão, hortelã, maçã, pêra etc.;

2. Reaprender o valor de mastigar bem os alimentos. Isso ajuda na produção de saliva e na digestão também;

3. Aumentar a ingestão diária de líquidos, dando preferência à água e aos chás de hortelã, erva-doce, boldo e carqueja. Sucos de frutas também são bem-vindos;

4. Se empenhar firmemente para parar de fumar, de ingerir bebidas alcoólicas e de usar drogas, porque costumam agravar ainda mais os quadros de boca seca;

5. Excluir da rotina a ingestão de doces muito caramelizados, como frutas em calda, balas de goma e de coco, geleias etc.

O especialista, por fim, chama atenção para outra questão fundamental na vida dos portadores de boca seca, que é o uso rotineiro do fio dental e de escovas com cerdas macias. “Para todas as pessoas, de modo geral, a frequência adequada dos cuidados diários de higiene bucal é de, no mínimo, duas vezes ao dia para os adultos e de três vezes ao dia para as crianças”.

Tópicos: Alimentação, Alimentos, Saúde