Messi admite que só lhe falta o título da Copa do Mundo

Agora, ele espera ter melhor sorte na Copa de 2014, no Brasil, quando surge como principal arma da Argentina para chegar ao tricampeonato mundial

Buenos Aires – Com apenas 25 anos, Messi já coleciona inúmeros feitos na carreira. Foi eleito pela Fifa como o melhor jogador do mundo nos últimos três anos, tem uma medalha de ouro olímpica pela seleção argentina, entrou para a história do Barcelona e tem vários títulos, incluindo três da Liga dos Campeões da Europa. Mas reconhece que ainda lha falta uma grande conquista: a Copa do Mundo.

“Sonho com o que ainda não pude conseguir na carreira, ganhar títulos com a seleção, um Mundial. Ganhei tudo com a minha equipe e individualmente. Isso (ser campeão da Copa) é o que me falta”, afirmou Messi, em entrevista para o canal argentino C5N, antes de defender a Argentina no clássico com o Uruguai, nesta sexta-feira, em Mendoza, pelas Eliminatórias da Copa de 2014.

Mesmo tão jovem, Messi já esteve em duas edições da Copa do Mundo. Em 2006, era reserva e teve papel discreto na campanha da seleção argentina, que foi eliminada pela anfitriã Alemanha nas quartas de final. Depois, ele foi o principal astro do grupo argentino na disputa de 2010, na África do Sul, mas caiu novamente diante dos alemães nas quartas de final.

Agora, ele espera ter melhor sorte na Copa de 2014, no Brasil, quando surge como principal arma da Argentina para chegar ao tricampeonato mundial. Para isso, porém, ainda precisa passar pelas Eliminatórias. E um dos maiores desafios nessa caminhada é justamente contra o Uruguai, contra quem os argentinos irão jogar nesta sexta-feira, na cidade de Mendoza.

“Sabemos que não será fácil, mas vamos tentar fazer nosso jogo, com um bom futebol”, disse Messi, ao comentar sobre o duelo com o Uruguai. Ele também revelou que espera o apoio da torcida em Mendoza, que fica a cerca de mil quilômetros de Buenos Aires, lembrando que finalmente conseguiu conquistar o carinho dos argentinos. “Sempre lutei muito para se reconhecido no meu país.”