Judocas da equipe japonesa foram maltratadas por treinador

15 judocas acusaram o treinador Ryuji Sonoda de agressões e golpes com espadas de bambu

Tóquio – O judô japonês está comovido com as informações de que atletas da equipe olímpica feminina eram maltratadas pelo treinador, que as agredia regularmente.

O escândalo veio à tona após 15 jovens decidirem denunciar o comportamento de seu treinador ao Comitê Olímpico Japonês (COJ) no mês passado.

As judocas, algumas das quais participaram nos Jogos Olímpicos de Londres-2012, acusaram o treinador Ryuji Sonoda de agressões e golpes com espadas de bambu, como as utilizadas no Kendo, uma modalidade de arte marcial.

“Pedimos à Federação Japonesa de Judô que investigue e adote as medidas necessárias se os fatos forem confirmados”, declarou nesta quarta-feira um dirigente do COJ.

O presidente da Federação de Judô, Koshi Onozawa, assegurou que Sonoda e outros treinadores admitiram os fatos e foram advertidos pela entidade.

“Em setembro passado, recebemos informações sobre o fato de Sonoda ter maltratado fisicamente suas atletas. Nós o interrogamos e a veracidade das denuncias foi confirmada”, informou Onozawa em coletiva de imprensa.

Os agressores foram advertidos pela Federação, mas não suspensos, e ameaçados com “sanções mais fortes se tais fatos se repetirem”, completou Onozawa.

Estas informações vieram a público semanas após o suicídio de um estudante que era regularmente maltratado por seu treinador de basquete.

De acordo com um relatório publicado em janeiro de 2011, quatro crianças morrem em treinos de judô a cada ano no Japão.