Venezuela aumenta preço da gasolina pela 1ª vez em 20 anos

As medidas são parte de uma estratégia para conter o agravamento da crise econômica do país

Caracas – O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou ontem a desvalorização da moeda local, o bolívar, e elevou os preços da gasolina pela primeira vez em quase duas décadas, como parte de uma estratégia para conter o agravamento da crise econômica do país.

As medidas, anunciadas por Maduro em um pronunciamento de quatro horas transmitido pelas emissoras de TV, integram um pacote elaborado para ajudar o governo a levantar recursos, num momento em que os preços baixos do petróleo geraram um déficit orçamentário estimado em 20% do Produto Interno Bruto (PIB).

“O novo sistema será vantajoso para todos”, declarou Maduro, acrescentando que a receita proveniente das vendas de gasolina será utilizada para custear os programas sociais de seu governo.

A partir de sexta-feira (19), a gasolina na Venezuela passará a custar 22 bolívares por galão, ante os atuais 40 centavos de bolívar por galão. Apesar da elevação, o combustível continua a ser vendido por cerca de US$ 0,02 por galão, pela taxa de câmbio informal comumente utilizada no país.

Maduro também manteve o sistema de bandas cambiais, mas desvalorizou a taxa de câmbio mais forte do bolívar ante o dólar em 37%, a 10 bolívares por dólar. Uma segunda taxa cambial, flutuante, foi estipulada em 203 bolívares por dólar.

Para os economistas, as últimas medidas ficaram aquém das mudanças estruturais necessárias para reavivar a economia venezuelana. Maduro, por exemplo, não desfez o complicado sistema de controle de preços, que vem gerando falta crônica de itens básicos de consumo.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o PIB da Venezuela irá encolher 8% este ano e que a inflação doméstica chegará a 720%.

O ajuste da gasolina e a desvalorização cambial, que tornará as importações mais caras em moeda local, provavelmente alimentarão ainda mais a inflação.