Venda de doces no Halloween é bom sinal sobre economia dos EUA

Uma série de fatores está ajudando o consumidor neste ano e relatório ressalta que a quantia de doces no Halloween é o símbolo perfeito dessa força

Nova York – Os consumidores dos EUA não precisam se fantasiar para o Halloween — no que diz respeito à economia em 2016, eles já são super-heróis.

Uma série de fatores econômicos está ajudando o consumidor americano neste ano e um novo relatório da IHS Global Insights ressalta que a quantia esperada a ser gasta em doces no Halloween é o símbolo perfeito dessa força.

“De forma geral, o gasto real do consumidor tem sido relativamente forte desde o Halloween passado devido à inflação modesta dos preços ao consumidor, aos baixos preços da gasolina, às melhores oportunidades de emprego e à melhora das finanças das famílias”, destaca Chris Christopher, diretor de economia de consumo da IHS Global Insights.

De fato, a equipe espera que o gasto com doces no Halloween tenha o aumento mais forte desde 2011, subindo 5,5 por cento, para US$ 3,8 bilhões.

Em 2014 e 2015, o gasto com doces no Halloween subiu 5 por cento e 1,7 por cento, respectivamente. O relatório definiu o gasto com doces no Halloween como despesas de consumo pessoal estimadas para outubro, ajustadas sazonalmente, em doces e chiclete.

O gasto adicional não se deve ao aumento dos preços dos doces no Halloween porque os preços deverão cair pela primeira vez desde 2013.

Desde o Halloween passado, o desemprego se manteve perto dos 5 por cento nos EUA, os salários vêm subindo a um ritmo mais acelerado e os preços da gasolina estão apenas 3 centavos mais altos.

“Muitas famílias vêm usando o alívio nos preços na bomba de combustível para quitar dívidas, economizar um pouco mais e comer fora”, acrescenta Christopher.

Parece que comprar mais doces no Halloween é outra forma popular de gastar parte desse dinheiro extra.