Temer discutirá teto de gastos públicos com Câmara e Senado

De acordo com líder do PSD na Câmara, a ideia é trabalhar para obter apoio unânime dos parlamentares em favor de medidas para recuperar a economia

O presidente <a href="http://www.exame.com.br/topicos/michel-temer"><strong>Michel Temer</strong></a> se reunirá amanhã (27) e quarta-feira (28) com líderes da base aliada da <a href="http://www.exame.com.br/topicos/camara-dos-deputados"><strong>Câmara</strong></a> e do <a href="http://www.exame.com.br/topicos/senado"><strong>Senado</strong></a> para discutir projetos de interesse do governo e que estão em tramitação no Congresso Nacional, entre eles a proposta de emenda à Constituição (PEC) que estabelece limite de gastos públicos.</p>

A primeira reunião, prevista para esta terçqa-feira, às 20h, no Palácio do Alvorada, tem confirmada, segundo a assessoria de Temer, a participação de ministros.

Esta será a primeira vez que o presidente reunirá sua equipe na residência oficial do Alvorada, de onde a ex-presidenta Dilma Rousseff se mudou há algumas semanas.

Já a segunda reunião será na manhã do dia seguinte, às 9h, na residência oficial do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso é um dos parlamentares que participarão das reuniões. Segundo ele, a ideia é trabalhar as matérias de forma a obter apoio unânime dos parlamentares da base em favor das medidas que visam recuperar a economia – caso da PEC dos gastos públicos.

“Essa PEC é fundamental. É um marco e nós temos essa consciência”, afirmou Rosso.

Na semana passada, durante encontro com empresários em São Paulo, Rodrigo Maia disse que a PEC começará a ser votada no plenário da Câmara em 17 de outubro. De acordo com o deputado, a matéria deverá ser encerrada até novembro.

Maia ressaltou que a PEC está pronta para ser votada na Comissão Especial na Câmara e deverá estar aprovada até o dia 7.

No mesmo evento, o presidente da Câmara informou que o Projeto de Lei 4567, de 2016, que retira a obrigatoriedade de atuação da Petrobras como operadora única de todos os blocos contratados pelo regime de partilha de produção em áreas do pré-sal, será votado na primeira semana de outubro.

“O projeto de lei é importante. O setor de óleo e gás tem cobrado a votação dessa matéria”, concluiu o presidente da Câmara.