Setor energético poderia reduzir emissões em 70% até 2050

Para que uma transição dessa magnitude ocorra, a participação das fontes renováveis no fornecimento de energia teria de aumentar para 65%

São Paulo – As emissões mundiais de dióxido de carbono (CO2) relacionadas ao setor de energia poderiam ser reduzidas em 70% até 2050, e completamente eliminadas até 2060.

É o que aponta o novo relatório da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena, na sigla em inglês) divulgado nesta semana durante a reunião do G20 em Berlim.

Para que uma transição dessa magnitude ocorra, a participação das energias renováveis no fornecimento de energia primária teria de aumentar para 65% em 2050, ante os 15% de 2015, diz o relatório.

Um adicional de US$ 29 trilhões de investimento em fontes renováveis seria necessário até meados do século, o que equivale a 0,4% do produto interno bruto (PIB) global.

Conforme o estudo, tais investimentos devem proporcionar um estímulo que, associado a outras políticas de apoio ao crescimento, impulsionaria o PIB global em 0,8% em 2050.

Globalmente, o setor energético emitiu 32 gigatoneladas de CO2 relacionados em 2015. Para limitar o aquecimento do Planeta em não mais do que 2 graus Celsius acima das temperaturas pré-industriais até o final deste século, as emissões de gases efeito estufa precisam cair para 9,5 gigatoneladas em 2050, segundo a Agência.

Tecnicamente, esta é uma transformação possível, mas exigirá reformas políticas significativas, custos e inovação tecnológica adicionais, para garantir que cerca de 70% do mix global de fornecimento de energia em 2050 seja de baixo carbono.

O estudo destaca que a maior parte do potencial de redução de emissões para os próximos anos provém das energias renováveis e eficiência energética, mas todas as tecnologias de baixo carbono (incluindo captura e armazenamento e fontes nucleares) desempenham um papel.

Atualmente as energias renováveis representam 24% da produção mundial de energia e 16% da oferta de energia primária. Para alcançar a descarbonização, o relatório afirma que elas deverão representar a maior parte da geração de energia em 2050, com base no crescimento rápido e contínuo, especialmente para a solar e eólica.